Arquivo do mês de fevereiro 2013

«Prev || 1 | 2 | 3 |...| 9 | 10 | 11 || Next»

10 coisas que a bicicleta pode fazer por sua saúde

LuisaoCS

10 coisas que a bicicleta pode fazer por sua saúde

As bicicletas estão na moda. Os governos municipais do sul do país promovem-nas como meio de transporte para evitar o trânsito e reduzir a poluição. Os psicólogos sugerem-nas como entretenimento e em pró da união familiar. E os profissionais de saúde recomendam pedalar para baixar de peso e tonificar o corpo.

Eu adoro pedalar, há muitos anos que revezo a corrida com pedaladas noturnas após o serviço. O problema é que ultimamente as magrelas passaram também a ser visadas pelos amigos do alheio -uma boa bike de fibra de carbono pode alcançar os 15 mil reais-, por este motivo evito pedalar todas as noites e faço minhas trilhas no sábado de dia subindo a Serra Dona Francisca ou cruzando a zona rural.

Há alguns anos, um médico, hoje amigo de pedaladas, me deu 10 razões para começar a subir em uma magrela sempre que possível, que repasso depois do pedalado salto:


De grátis

LuisaoCS

"A privacidade converteu-se em uma moeda de troca. Pagamos por serviços «gratuitos» com nossa informação pessoal."

- Linda Doyle via @JPBarlow.


Incrível recriação digital de Audrey Hepburn em comercial de chocolate

LuisaoCS

Não demora para chegar o dia em que possamos ver celebridades mortas estrelando filmes. Um comercial de chocolates fez precisamente isso ao integrar à atriz britânica Audrey Hepburn, falecida em 1993, mostrando-a como na época de sua juventude. O trabalho foi realizado pela empresa de efeitos visuais Framestore, que realizou trabalhos para estúdios de Hollywood e diferentes marcas comerciais em material publicitário.

A campanha inclui substituição completa do rosto por geração por computador para trazer de volta Hepburn à vida. O trabalho começou buscando uma atriz que se parecesse o máximo possível à verdadeira Hepburn, a quem fizeram capturas dos movimentos dos músculos do rosto, para depois poder substituir sua face com a do ícone da moda e do cinema.

Depois gravaram o comercial na costa de Amalfi na Itália, coletando ao mesmo tempo com múltiplas câmeras toda a informação de rastreamento do rosto e iluminação necessária para integrar depois na versão digital. Depois da gravação, começaram a criar as diferentes formas de expressão facial do modelo virtual, para depois misturá-los de forma convincente e recriar à atriz. Esta não é a primeira vez que trazem de volta ícones do passado. A J'adore, por exemplo, trouxe Marilyn Monroe, Grace Kelly e Marlene Dietrich para contracenar com Charlize Teron em seu comercial de perfume, mas o aparecimento das divas não era tão extenso nem tão realista como o que vemos agora.


Estudar as flutuações termais dos ferrofluidos poderia ajudar-nos a entender melhor o aparecimento de multiversos no universo

LuisaoCS

Estudar as flutuações termais dos ferrofluidos poderia ajudar-nos a entender melhor o aparecimentos de multiverso no universo

É provável que já tenham visto um vídeo de ferrofluido ai pela rede fazendo coisas incríveis como mudar de forma ao ser expostos a ímãs, ou em instalações de arte interativas, mas agora os cientistas acham que os ferrofluidos podem ser mais do que uma experiência visual e artística, podem ser modelos do multiverso.

Pesquisadores da Universidade de Maryland e da Universidade de Towson sugeriram estudar os ferrofluidos para entender como se formam os multiversos. Isto se deu após que os cientistas mostraram interesse em usar os metamateriais para criar modelos de comportamento físico. Os metamateriais são materiais feitos por humanos que demonstram características que não se observam em materiais naturais, mas que coincidem com comportamentos estrambóticos do universo físico. De fato, alguns cientistas acham que se um campo magnético fosse aplicado a um vazio no espaço, este se comportaria como um metamaterial.


Dilatadores retais: um raro dispositivo médico dos anos 20

LuisaoCS

Dilatadores retais: um raro dispositivo médico dos anos 20

Ainda que o pudor ou a moral dominante negue ou tente dissimular ou ocultar, há situações em que é necessário recorrer a medidas desesperadas e até humilhantes para preservar a integridade física, seja qual for a forma que esta tome em tantos âmbitos como se desenvolva nossa existência.

Em questões de saúde, por exemplo, há doenças que socialmente são tachadas de vergonhosas e que, por esse motivo, é comum que obriguem os que padecem delas a empreender missões labirínticas para encontrar sua cura.

Com certa frequência tratam se de afecções relacionadas com a área sexual, mas, curiosa e estranhamente, as doenças do aparelho digestivo têm uma reputação parecida, algo que mais vale manter em segredo em vista das lesões que, simultaneamente, abalam nossa dignidade.

Nos anos 20, um tal Dr. F. E. Young tinha uma companhia que comercializava dilatadores retais com formato fálico, um objeto cujo uso era aconselhado em casos de constipação crônica e hemorroidas, uma espécie de supositório reutilizável que devia ser operado diretamente sobre a zona em conflito em busca de uma solução do mesmo.

Feitos de borracha sólida e fabricados em quatro tamanhos diferentes, estes dilatadores prometiam ao doente ajudar com essas operações que o indivíduo saudável realizada naturalmente todos os dias.

E você aí fazendo "docinho" para tomar Lacto Purga ou Leite de Magnésia. ;-)

Via | Dangerous Minds.


O que faz com que um livro resulte “trepidante” para seu cérebro?

LuisaoCS

O que faz com que um livro resulte “trepidante” para seu cérebro?

Quando executamos qualquer movimento, desde soprar uma vela até segurar um garfo ou chutar uma bola, uma zona concreta do córtex cerebral relacionada com a execução das ações voluntárias é ativada. O surpreendente disso é que, usando as técnicas de neuroimagem, o neurocientista Friedemann Pulvermüller, da Universidade de Cambridge, comprovou que esta parte do cérebro também se "acende" quando uma pessoa escuta de forma passiva ou lê em silêncio em um livro certos verbos que fazem referência a movimentos (soprar, saltar, pular, chutar, etc.).

Seus resultados foram publicados na revista Neuron, e dão uma pista interessante aos escritores a respeito de como conseguir fazer com que um livro possa despertar a ansiedade no leitor.


Botas de unicórnio

LuisaoCS

As botas de unicórnio da Oonacat foram pensadas para aquelas mulheres afeiçoadas em relinchar e dar coices à mínima provocação. Custam perto de mil reais. Isto seria uma pechincha se fossem fabricadas com pele de unicórnio, patas de unicórnio e feitas a mão por um hábil unicórnio que amputou as patas para que alguém pudesse usar as botas e montar a cavalo para fazer uma gracinha. Mas não é bem assim. Em realidade são usadas para caminhar. Ou, bem, algo parecido. No vídeo acima é possível ver como é cômodo usá-la no recesso do lar.


«Prev || 1 | 2 | 3 |...| 9 | 10 | 11 || Next»