«Prev || 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 || Next»

A Internet em 1996

LuisaoCS

Uma cápsula do tempo impressionante de como era a vida na Internet há mais de 20 anos, assim que estava começando a decolar. Se você se lembra do Netscape, modems dial-up ou Excite!, você receberá um banho de nostalgia desta velha fita VHS. Lembro-me que nos primórdios para acessar a Internet com um modem de 2.400 Bps, eu tinha que fazer um interurbano para São Paulo, pois o Sul do país ainda não contava com linha conectadas à rede. A conta telefônica no final do mês era uma facada.


Um cortador de lenha caseiro engenhoso... bruto mas muito eficaz!

LuisaoCS

Existe uma atividade mais árdua do que cortar ou rachar madeira? Talvez quebrar pedra ou enxugar gelo, porque cortar uma infinidade de troncos em pedaços sem parar, exige o uso de muitos músculos e paciência. Além disso, se o nível de atenção diminui, há o alto risco de uma lesão grave! Machados são traiçoeiros e costumam ricochetear em direção a canela. Por todas estas razões, o homem que você vê no vídeo inventou esta máquina de corte de madeira usando ferramentas e materiais que tinha às suas mãos.

Talvez sua máquina de corte de lenha adaptada ao eixo do velho trator por um tipo de caixa de redução não seja muito sofisticada ou high-tech mas ... parece funcionar muito bem, e é isso o que importa!


Veja como funcionam as TVs de tubo em um vídeo a 1000 fps

LuisaoCS

Às vezes não há nada como gravar algo em câmera lenta para entender como funciona. É o caso deste vídeo gravado por Aleksey Bragin a 1.000 frames por segundo de um velho televisor de tubos. A gravação permite distinguir as varreduras de 525 linhas sobre a tela que formam a imagem. Muito ilustrativo.


Fazer uma lente de contato nos anos 40 era um pesadelo literal

LuisaoCS

Com os rápidos avanços da tecnologia moderna, as pessoas de hoje temos a sorte de não necessitarmos passar por situações que se mostravam bem complicadas no passado. Algo tão simples como colocar lentes de contato era um total pesadelo. De acordo com esta propaganda de 1948, não só o processo era mais complicado no geral, mas envolvia fazer algumas coisas que ninguém sequer pensaria em aceitar nos dias atuais.

Vendo o vídeo fica fácil entender porque pouquíssimas pessoas se sujeitavam a este processo no passado e por qual motivo todos preferiam os óculos! Bendita tecnologia!


Uma magnífica explicação de como funcionam as marchas de um carro

LuisaoCS

Um vídeo da velha escola, de 1936, que explica magnificamente, tintim-por-tintim o funcionamento da transmissão e das marchas de um carro moderno ("moderno" faz 80 anos) que fazem com que o veículo adquira velocidade para se mover para frente e também para trás.

A explicação começa com o princípio da alavanca, a máquina simples que permite a um homem mover um vagão de trem, e sua aplicação no automóvel. Em uma engrenagem cada dente é uma alavanca e as engrenagens da transmissão transmitem, multiplicam ou dividem, a força e o movimento produzidos pelo motor. O vídeo avança passo a passo na construção de uma caixa de transmissão simples, com três marchas para frente e uma marcha para trás.

Além da explicação de como cada marcha entra em ação também explicam como são sincronizadas, igualando sua velocidade para que a mudança entre uma e outra seja suave, sem golpes bruscos entre elementos que giram a diferentes velocidades.

O vídeo é dedicado à transmissão da força do motor para as rodas, pelo que, ainda que se trate de uma caixa de marchas manual, ignora todo o referente à embreagem, que é o dispositivo que isola a caixa do motor enquanto acontece uma mudança.

Ainda que se trate de uma versão simplificada de uma caixa de troca de marchas, por si só bastante simples, não podemos esquecer que se trata de um vídeo da Chevrolet de 1936 e provavelmente seja uma das explicações mais fáceis de entender, inclusive se você não entende o idioma bretão.


Os impressionantes tubos de Nixie artesanais de Dalibor Farny

LuisaoCS

Os tubos de Nixie são algo bem como os tataravôs das telas de cristal líquido, de modo que estão mais do que superados tecnologicamente, ainda que são realmente bonitos. Dalibor Farny descobriu-os em 2011 e quando se inteirou de que há anos não são fabricados decidiu que ia aprender a fazê-los e depois de anos de aprendizagem e de tentativas e erros agora ademais se dedica a vendê-los.

Este vídeo mostra o processo de fabricação destas preciosidades, que são feitas a mão de seis em seis, com um monte de trabalho delicado que vai desde preparar as peças metálicas que os formam até os testes para ver se funcionam corretamente, passando pelo processo de sopro de vidro necessário para fabricar as bases e o corpo dos tubos.


Uma fábrica de discos de vinil em ação

LuisaoCS

Nos 100 segundos que decorrem nas imagens de Super Deluxe pode ser sentido certa satisfação com o processo de fabricação destes discos de vinil, que combina precisas máquinas, gigantescas prensas hidráulicas e múltiplos trabalhos manuais para criar artefatos sobre os quais ainda hipsters debatem se sua qualidade é pior, igual ou superior -quando menos é diferente, mas é muito pior- à música digital.

Também os colecionadores de vinil, lógico, argumentam sobre os méritos do LP por sua qualidade de reprodução nas gravações analógicas, mas quando são lembrados do ruído superficial, erros de rastreamento, variações de tom e maior sensibilidade em seu manejo, simplesmente desconversam.

Eu tenho centenas de discos de vinil e, às vezes, passo horas ouvindo um e outro, mas qualidade que é bom: não tem. Como diz um amigo meu que também gosta dos vinis, é que em ocasiões a gente tem saudades de "coisas físicas". Ainda que a "coisa física" não seja necessariamente sinônimo de qualidade, apesar de sua beleza.


Como eram fabricados os papéis de parede nos anos 1960

LuisaoCS

Se você quiser fazer um passeio de qualidade pela história recente da humanidade, recomendo vivamente que zapeie o acervo de vídeos da British Pathé, a mídia britânica com um grande legado visual desde o anos 1890.

Neste vídeo acima podemos ver como uma fábrica de 1960 fazia papel de parede. Sim estamos tão acostumados agora com nossas impressoras e rolos de impressão que fica difícil imaginar como esta atividade era feita.

Pois uma mulher usa uma máquina de roteamento para gravar um projeto de estampa sobre um bloco de madeira de plátano. Depois um homem usa o bloco para imprimir manualmente um rolo de papel de parede. Como as tintas ainda não eram de secagem instantânea, longas folhas de papel de parede vermelho e ouro são dependuradas em altas alças para secar.


Um jetpack de 1962

LuisaoCS

Este ano e o interior foi farto em novas tecnologias que apresentaram objetos voadores pessoais, como o Jetpack Aviation e o Flyboard Air, mas engana-se quem pensa que são tecnologias atuais. Na verdade o primeiro funcional como conhecemos foi divulgado em 1962, quando era chamado de cinto voador, que fez à humanidade sonhar com mochilas voadoras menores, mais duradouras e mais eficazes nas décadas seguintes. Pois 50 anos depois avançamos um pouco em autonomia, mas não muito.


O que acontece ao dividir por zero em uma calculadora mecânica de 1956

LuisaoCS

Sabe aquele dia que você vai ao Youtube ver um clipe qualquer e cinco horas depois se flagra assistindo um tutorial de como girafas? Pois é... de algum modo acabei preso em uma dobra temporal do YouTube com dezenas de vídeos dedicados a fazer divisões por zero em calculadoras mecânicas e ver o que acontece.

Vídeos de até dez horas em que máquinas eletromecânicas permanecem em um loop infinito de indeterminação. Até ao ponto de que as calculadoras podem acabar soltando fumaça ao funcionar de forma contínua e a toda velocidade, como loucas.


«Prev || 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 || Next»

Links: