Síndrome de Down revela uma chave para combater o câncer

LuisaoCS

Sindrome de Down.jpg

As pessoas com síndrome de Down muito dificilmente desenvolvem o câncer, uma peculiaridade que levou alguns pesquisadores americanos a estudarem este fato até que chegaram a um dos motivos: têm cópias adicionais de um gene que ajuda a evitar que os tumores se alimentem de si mesmos.

A descoberta poderia conduzir ao desenvolvimento de novos tratamentos para o câncer, informaram os estudiosos na revista Nature. No entanto, novos estudos com pacientes com a síndrome poderiam revelar mais formas de combater os tumores.

Cientistas da Universidade de Harvard e outras entidades usaram um novo tipo de células mãe similares às embrionárias, chamadas pluripotentes induzidas ou iPS. Essas células, criadas a partir de pele comum, podem transformar-se e agir como as poderosas células mãe, que são o material mestre do corpo.

Através da utilização das células iPS de um voluntário com síndrome de Down e de ratos geneticamente modificados para ter uma versão da condição, os experientes detectaram um gene que protege contra os tumores.

- "Isto sugere, talvez, que a população com síndrome de Down nos brinde um novo enfoque sobre os mecanismos que regulam o crescimento do câncer" dizem os autores do estudo.

A síndrome de Down é a causa genética mais comum de deficiência mental e ocorre em um a cada 700 nascimentos com vida. A teoria da síndrome de Down vinhas sendo muito explorada pelo doutor Judah Folkman, de Harvard, que morreu no ano passado. Folkman, cujo nome figura no estudo, desenvolveu teorias sobre como as células tumorais criam vasos sanguíneos para nutrirem a si mesmas em um processo chamado angiogênese.

Folkman também notou quão raro é o câncer, exceto a leucemia, entre os pacientes com síndrome de Down e se perguntava se os genes explicariam o por que. Um estudo com quase 18.000 pacientes Down mostrou que somente existiam 10% da taxa esperada de câncer.

As pessoas com síndrome de Down têm uma terceira cópia do cromossomo 21, enquanto a maioria dos seres humanos têm dois. A cópia adicional outorga-lhes versões extra de 231 genes. Um desses genes é conhecido como DSCR1 ou RCAN1, é ele que codifica uma proteína que suprime o fator de crescimento vascular endotelial ou VEGF, que é um dos compostos necessários para a angiogênese. Os pacientes com síndrome de Down têm quantidades adicionais de DSCR1, assim como os ratos geneticamente modificados para ter o transtorno, assinalaram os pesquisadores.

Os roedores modificados geneticamente com uma cópia extra de DSCR1 eram resistentes aos tumores. O DSCR1 afeta um composto denominado calcineurina, que há muito tempo é alvo da pesquisa sobre o câncer.

- "Esta informação provê um mecanismo para explicar a menor incidência do câncer nas pessoas com síndrome de Down", indicou a equipe.

As pessoas que padecem de síndrome de Down também são menos propensas a desenvolver doenças relacionadas com a angiogênese, como a retinopatia diabética e a arteriosclerose ou endurecimento das artérias, o que sugere que a proteção do câncer estaria relacionada, em parte, à supressão angiogênese.

- "Dado que o cromossomo humano 21 contém uns 200 genes, seria inesperado se o DSCR1 fosse o único gene do cromossomo 21 implicado na supressão tumoral nas pessoas com síndrome de Down", finalizaram os pesquisadores.

Via | Reuters.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Excelente post.
Parabéns Luisão.
Acho interessante e importante essas pesquisas, mesmo que os cientistas ainda não entendem perfeitamente nem os mecanismos da reprodução humana.
Eu vejo a biologia como um imenso quebra- cabeça, que vai sendo montado de acordo com as pesquisas e descobertas científicos...
Eu tenho uma paixão muito grande por genética, embora eu acha difícil entender muitos aspectos da mesma.
Eu tenho algumas curiosidades em relação a Síndrome de Down .
Exemplo: Por que é raro pessoas negras nascerem com Down?
E porque dificilmente os Down possuem cabelos louros e olhos claros?
Eu gostaria muito de entender o fato de muitos Downs possuírem fenótipos semelhantes como olhos com fendas pálpebras oblíquas, cabelos lisos e pretos, ponte nasal achatada.Como a trissomia do 21 influi nisso...

Deixe um comentário sobre o artigo