Como funciona a mente de um psicopata como Breivik, o autor do ataque terrorista na Noruega?

LuisaoCS

Como funciona a mente de um psicopata como Breivik, o autor do ataque terrorista na Noruega?

Estima-se que um 1% da população é psicopata, ainda que outras estimativas apontem números que chegariam aos 6%. No entanto, atos atrozes como o perpetrado por Andeis Behring Breivik nos parecem próprios de monstros e não de seres humanos. Breivik foi o autor do recente duplo ataque terrorista na Noruega, um país que se caracteriza precisamente por ser um exemplo de civismo e harmonia. Breivik, de 32 anos, matou 68 pessoas na ilha de Utoya, onde disparou contra jovens que participavam de um acampamento da juventude social-democrata, e a outras 8 em Oslo, onde colocou uma bomba próximo a sede do Governo.


O advogado do assassino, Geir Lippestad, assegura que seu cliente sofre de "transtornos mentais" e que acha que se encontra em um "estado de guerra". Lippestad, escolhido pelo próprio Breivik para sua defesa, definiu-o como "uma pessoa muito fria que não mostrou empatia com as vítimas". Acrescenta:

Sua visão da realidade é rara e é difícil de explicar. Está distorcida. Odeia qualquer pessoa que não seja um extremista. Odeia qualquer um que seja democrata e que defenda os valores democráticos.

Então? Como é possível que existam tantos psicopatas e, no entanto, não tenhamos muitíssimos mais casos como o da Noruega? Uma personalidade psicótica não é sinônimo de assassino em série ou de uma espécie de Hannibal Lecter. Um psicopata pode ser uma pessoa simpática que, não obstante, não pestaneja em cometer um delito quando lhe convém e o fará sem sentir remorsos por isso. Ademais, a maioria dos psicopatas não cometem delitos, mas não vêem problema algum em mentir, manipular, enganar e causar dano para conseguir seus objetivos.

O que sabemos é que os cérebros dos psicopatas não são parecidos ao cérebro do resto das pessoas. Graças à tomografia por emissão de positrons (PET em suas siglas em inglês) que permite escanear a atividade do cérebro ante determinados estímulos, sabemos que os estímulos relacionados com as capacidades de empatia encontram-se ausentes no lóbulo préfrontal, mecanismo responsável por nossos razoamentos morais, do cérebro dos psicopatas.

Segundo um estudo publicado no British Journal of Psychiatry, os psicopatas mostram menos atividade em áreas do cérebro relacionadas com a avaliação das emoções vinculadas às expressões faciais. E pesquisadores do Instituto de Psiquiatria do King's College de Londres descobriram em agosto de 2009 que os psicopatas têm conexões defeituosas entre a parte do cérebro que gerencia as emoções e os impulsos das tomadas de decisões.

A falta de remorsos radica na coisificação que o psicopata tem do outro, isto é: tira do outro os atributos pessoais para valorizá-lo como coisa. Mas isto pode acontecer também em muitas pessoas que não apresentam quadros psicóticos. É a razão de que, por exemplo, os soldados possam ser tão agressivos com o inimigo: os inimigos já não são pessoas como eles senão uma coisa, uma ameaça sem humanidade.

Os critérios que definem à personalidade psicopática podem ser avaliadas mediante uma lista de 20 características denominadas Psychopathy Checklist (PCL), entre as quais destacam-se autoestima exagerada, constante necessidade de obter estímulos, tendência ao aborrecimento, tendência a mentir de forma patológica, comportamento malicioso e manipulador, afetividade frívola, resposta emocional superficial e falta de empatia, crueldade e insensibilidade.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Na minha concepção o psicopata só pensa nele próprio. Ele diz que ¨não tem problemas¨. Penso que ele é um problema. Está sempre atrás de uma carapuça para manter sua farsa. É manipulador, não sente culpa, remorso, não se importa com o sentimento alheio, nem das pessoas com quem convive. Não muda seus comportamentos. É sempre o sabichão e tenta te manipular de todas as formas. É extremamente racional, imoral e jamais vai se importar com você. Tem consciência de todos os seus atos. Não insista, não invista! Saia fora o mais cedo que puder. Esta é a única solução.

Maria, Luisão e caros amigos, a escritora Ilana Casoy, especialista no assunto, tem inclusive um site aonde conta tudo da vida e de personalidade de doentes demoníacos assim, conta inclusive quais os que se tornaram mais célebres na História da Literatura Criminal.

www.serialkiller.com.br

Se for do interesse de vcs, pedindo desculpas ao Luisão por ter posto o link da bela aqui, quem tiver afim de saber como é e como funciona a cabeça desses doidos, "tái!

Tudo bem mas, será que agiu tão somente movido por esta sua psicopatia mesmo, como pintou a mídia?

Acho que tem mais coisas que nunca ou talvez um dia, a História irá contar realmente a verdade real dos fatos, tal como também, o que aconteceu com o atentado comentido contra o Papa João Paulo II, pelo turco Mehemed Ali Agca, que disparou três vezes nele com uma pistola Browning de nove milímetros a menos de sete metros de distância, ferindo gravemente o estômago, a mão esquerda e o cotovelo do pontífice.

Por que e por quais motivos dois atentados "tão inexplicáveis", que os poderosos talvez até saibam as reais motivações e tentam esconder com o descrédito total do acusado perante o grande público?

karaka ke kara gato.

assisti o programa do discovery Indice da Maldade, nao da p acreditar no q vc ve ali, realmente nao parecem pessoas, sao irracionais, eu ainda nao consigo acreditar como um sujeito desses ainda tem advogado

Os psicopatas já nascem psicopatas ou se formam psicopatas?
Já pensou uma mãe ter um filho e criá-lo com todo o carinho e depois descobrir que ele é um psicopata?

Eu sempre tive curiosidade para saber como é a mente de um psicopata.
Sempre pensei: será que eles são como são devido à educação que receberam na infância, ou não tem nada a ver?
E como podemos detectar um pscicopata no nosso dia à dia ?
O que fazer quando depararmos com um ?
Como são os psicopatas na infância?
Será que uma educação com muita disciplina mudaria alguma coisa para eles?

Medo.

Deixe um comentário sobre o artigo