Se quiser despertar a filantropia, mostre uma criança carente, não muitas

LuisaoCS

Quer despertar a filantropia, mostre uma criança carente, não muitas

Nosso cérebro não se dá muito bem com multidões. Foi instalado quando vivíamos em comunidades pequenas, de modo que não tinha por que assimilar a existência de milhões de habitantes. O problema é que hoje em dia somos milhares de milhões de habitantes e isso supõe um problema. Sobretudo se quisermos inspirar a filantropia.

Quando vemos um anúncio no qual nos convidam a prestar ajuda a um país pobre, geralmente mostram uma criança triste e famélica. Isso é o que na verdade inspira nosso altruísmo. Se fossem mostradas muitas crianças ou mostrassem informação racional sobre o problema econômico do país, o efeito seria menos eficaz, como sugerem os estudos do psicólogo da Universidade do Oregon, Paul Slovic.


Em suas experiências, perguntava aos voluntários quanto estariam dispostos a doar para diversas causas caritativas. Assim, Slovic descobriu que quando mostrava a foto de Rokia, uma garota com olhar triste e famélica de Malawi, eles agiam com uma generosidade admirável. Depois de olhar o esquálido corpo e os evocadores olhos escuros da menina, cada um doava, por meio-termo, dois dólares e cinquenta centavos à organização Save the Children.

No entanto, se mostrasse um grupo de pessoas famintas e uma série de dados estatísticos sobre a fome na África (em Malawi há mais de três milhões de crianças desnutridas, na Etiópia mais de onze milhões de pessoas precisam ajuda alimentícia urgente, etc), a doação média era 50% inferior. A primeira vista, isto não faz muito sentido. Se as pessoas são informadas sobre o verdadeiro alcance do problema, deveriam dar mais dinheiro, não menos.

Mas o detalhe é que as estatísticas, os números e o racional dificilmente incidem na parte emocional de nosso cérebro, que é aquilo nos impulsiona a tomar decisões.

Por conseguinte, por muito sensacionalista que pareça, se queremos que as pessoas tomem uma atitude, há que tocar mais a sua fibra sensível do que a sua razão. Este é o motivo pelo qual um país inteiro fique paralisado quando vê no telejornal que um garoto caiu em um poço quando, ao mesmo tempo, nem se dá conta de que milhares de crianças morrem no mesmo período por falta de água potável.

Via | Science Direct.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

I isso funciona a favor dos governantes. Que roubam os numeros, pois não estão vendo as pessoas serem afetadas, é mais facil. é so dinheiro.

Isto ao inverso também é sentido, em campanhas políticas nota-se "uma" criança em destaque, sendo bem alimentada e recebendo atenção de professores...

Deixe um comentário sobre o artigo