Novo campo da genética afirma que herdamos as experiências de nossos antepassados através do DNA

LuisaoCS

Novo campo da genética afirma que herdamos as experiências de nossos antepassados através do DNA

Vamos propor uma pergunta com certa ingenuidade: como o DNA humano sabe onde colocar suas peças para criar exatamente um ser humano particular? Não falamos de um indivíduo da espécie humana senão de uma pessoa concreta, filho ou filha de certos pais, descendente de certa genealogia. De primeira impressão poderíamos pensar que a natureza trabalha sobre um quadro básico de ingredientes, os quais sofrem poucas modificações ao longo do tempo. Mas segundo a pesquisa de dois biólogos canadenses, as histórias de vida (hábitos, estados emocionais, traumas psicológicos) de nossos descendentes modificam e outorgam a nosso material genético um grau extra de precisão.

A história resumida começa assim: um neurologista e um biólogo entram em um bar, tomam um par de tragos e falam superficialmente de suas respectivas linhas de pesquisa, ao sair criaram um novo campo da genética. Isto ocorreu em um bar de Madri a Moshe Szyf, biólogo molecular e geneticista da McGill University em Montreal, e a seu amigo Michael Meaney, neurobiólogo da mesma universidade.


Desde a década de 70, os geneticistas sabem que o núcleo das células utiliza um componente estrutural das moléculas orgânicas, o metilo, que ajuda a célula a decidir se será uma célula do coração, do fígado ou um neurônio. O grupo metilo opera próximo do código genético, mas não é parte dele. O campo da biologia que estuda estas relações é chamada epigenética, pois apesar de que estudam fenômenos genéticos, estes ocorrem propriamente ao redor do DNA.

Os cientistas achavam que as mudanças epigenéticas aconteciam só durante a etapa do desenvolvimento fetal, mas posteriores estudos demonstraram que de fato algumas mudanças no DNA adulto podiam resultar em certos tipos de câncer. Em ocasiões os grupos metilo ajustam-se ao DNA devido a mudanças na dieta ou à exposição a certas substâncias; no entanto, a verdadeira descoberta começou quando Randy Jirtle da Universidade de Duke demonstrou que estas mudanças podiam ser transmitidas de geração em geração.

Se este jargão geneticista for árduo para alguns, digamos que Szyf e Meaney simplesmente desenvolveram uma inovadora hipótese enquanto tomavam um par de cervejas: se a alimentação e os químicos podiam produzir mudanças epigenéticas, era possível que experiências como o estresse ou o abuso de drogas também pudessem produzir mudanças epigenéticas no DNA dos neurônios? Esta pergunta foi o ponto de partida para um novo campo no estudo da genética: a epigenética comportamental.

Segundo este novo enfoque, as experiências traumáticas de nosso passado bem como as de nossos ancestrais imediatos deixam uma sorte de feridas moleculares aderidas a nosso DNA. Cada raça e cada povo, assim, levaria inscrito em seu código genético a história de sua cultura: os judeus e a Shoah, os chineses e a Revolução Cultural, os russos e os gulags, os imigrantes africanos cujos pais foram perseguidos, ou bem uma infância de maus-tratos e pais abusivos, enfim... todas as histórias que possamos imaginar estão influídas por nossos antecessores.

Desde este ponto de vista, as experiências de nossos ancestrais modelam nossa própria experiência de mundo não somente através da herança cultural senão através da herança genética. O DNA não muda propriamente, mas as tendências psicológicas e de comportamento são herdadas: assim, talvez não só tenha os olhos de seu avô, senão também seu bom caráter e sua tendência à depressão ou ao alcoolismo.

Bem como a magia e as terapias psicodramáticas afirmam que para curar uma pessoa é preciso revisar sua árvore genealógica, a genética atual começa a abrir passagem em um novo campo que poderia fazer com que as "maldições familiares" sejam coisa do passado.

Via | Discover Magazine.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Eu aprendi a perceber os meus pensamentos e mudar a frequência de um pensamento ruim.Quando percebido dou comando;Não quero pensar isso.
Quero sair desse estágio em que me encontro.É bem por aí.Medito.Canto Mantras.

Acredito que todos os comentários colaboraram o colaboram para um outra ótica. Eu acredito num comportamento repetitivo passado de geração em geração por memórias comportamentais e também acredito no dna, por quê não?Em relação a Yoga isso é claro tudo que você pensa, planeja você faz automaticamente você reproduz e se torna o que você é.

Obrigada.Por favor !No Feminino.

Obrigada.Por favor !No Feminino.

Obrigada..feminina por favor !

Ia mesmo falar desde bela Margarida ...pensava mais ou menos sobre esses questões e queria praticar yoga...Para béns e obrigada , Margarida.

O comentário da Margarida pode ser visto, sem preconceitos, como uma grande contribuicao pois os pensamentos são poderosos modificadores de nosso estado geral e podem ser uma chave para acionar muitos processos ainda desconhecidos. Obrigado Margarida.

PREZADOS AMIGOS: POR EXPERIÊNCIA DE VIDA, VENDO E ACOMPANHANDO O AVANÇO DA CIÊNCIA, DESDE A MECÂNICA BRUTA, A ELETROMECÂNICA, A ELETROMECÂNICA E ELETROELETRÔNICA, VISLUMBRO QUE BREVEMENTE TEREMOS UMA REVOLUÇÃO TÃO GRANDE CIENTÍFICA, QUE ABRIRA A JANELA PARA O ALÉM, TRAZENDO EXPLICAÇÕES LÓGICAS PARA TODAS AS INDAGAÇÕES FEITAS NESTE PRESENTE MOMENTO. ( SEI QUE SEI, QUE NÃO SEI NADA, MAS QUE UM DIA SABEREI TUDO ). INFORMAÇÃO RECEBIDA NESTE MOMENTO.

Fantastico, vendo os depoimentos, da pra se entender como cada hum carrega um hum, e olha que por um simples H, muita coisa pode ser interpretada. Vejo que ainda a humanidade essta caminhando a seu passo em relacao ao saber, por mais que queiramos ou mesmo imaginamos uma crianca quando nasce nao consegue ir direto a faculdade, existe um step by step, nao encontrei em nenhum momento a palavra NATUREZA, muito menos uma mencao sobre o seu poder e que de certa forma temos uma ligacao direta a ela, veja por exemplo a palavra destino, que pra muitos eh ummprocesso relacionado ao divino e pra outros esta relacionado ao direito de ser manipulado pelo simples ato do pensamento, eu continuo estudando e vendo aquilo que mais se encaixa ha aquilo que conheco, buscando montar o meu quebra cabecas.

Bem a minha opinião basicamente se resume a esta simples explicação e sem complicação nenhuma, para quem quiser saber entender espessamente este pensamento!

Rebuscando um antepassado qualquer mais próximo de um actual ser humano, por exemplo um pai de alguém ou um AvÔ de alguém presente na actualidade, "esse ante passado nosso" teria um relógio biológico já programado por varias gerações anteriores de seus ante ante... passados, logo a minha perspectiva é simplesmente esta: um antepassado terá passado por uma simples situação dramática ou até de felicidade (um certo momento da sua vida, poderia ser, um dia, 1hora, 1minuto que seja de uma situação marcante que lhe foi gravado na memória ou de um dilema por resolver ou que apareceu na sua vida para resolver.
Logo esse problema ou situação ou momento. terá certamente uma decisão procedida por esse antepassado onde tal vez essa mesma situação se tenha repetido inúmeras vezes gerações após gerações até chegar ao mais recente ser humano descendente desse mesmo antepassado.
Se essa situação for sempre resolvida do mesmo modo com a mesma reacção ou seguir o mesmo rumo de outras gerações anteriores continuaremos a estagnar na mudança e continuaremos presos a uma descendência cronica e a depender de uma constante contra-ente emotiva, psicologista programada e presa a uma entidade passada a cometer os mesmos erros!

Quando no ser humano actual surgir esse momento, essa mesma hora esse mesmo minuto em que há que tomar uma decisão sobre o mesmo momento passado, essa mesma situação que aconteceu a nosso antepassado em 1955 a 27 de Novembro, quando actualmente estamos em 2015 de 27 de Novembro! se "eu" ou outra pessoa actual tomar um caminho diferente ao rumo habitual marcado por um estigma falhado na tentativa de superação desses mesmos factos hereditários ai sim estaremos a mudar o nosso ADN e a superar a raça Humana e distanciar-nos de um passado marcado por passagens já pisadas por alguém que não as conseguiu superar, talvez seja esse um bom motivo de começar a mudar as nossas mentes, pois é uma coisa que está no nosso subconsciente e que só nos damos conta que podemos mudar quando o momento já passou e já tomamos a atitude mas esquecemos de parar para pensar e mudar, é algo quase insuperável porque vivemos numa rotina abrasiva sobre a pressão de um relógio global que não pára e nós não temos tempo para pensar.

talvez um pouco confuso o texto mas há coisas boas para se retirar e deixo para quem sabe se expressar melhor desenvolver esta teoria!

Muito interessante essa questão, concordo em partes, podemos então pensar na condição de pais alcoólatras, filhos propensos ao álcool, e assim já se mostrou a carga genética referente a esse e outros fatores dessa ordem, agora, comportamentos, traços de personalidade e dentre outros... vamos estudar mais pra desvendar esse grande mistério que é o ser HUMANO.

Sim, finalmente a ciência chega mais perto do que temos hoje como conhecimento "terapêutico". as constelações familiares estudadas e trazida a público por Bert Hellinger tratam exatamente disso. Sim, é possível romper com o padrão genético familiar!

Acredito. Pois muitos fatos que aconteceram comigo, ao longo dos anos, aconteceram exatamente iguais a minha mãe e minha avó (falecidas).
Faz muito sentido sim.

Um assunto tão genial e prolífico e aparece a iluminada Margarida Maria para cagar em tudo. A ignorância é uma benção!

ESTAO JOGANDO MUITO ASSASSINS CREED

Já faz algum tempo que pratico youga e lá pelas tantas percebi que sou aquilo que penso. Tomei um baita susto! Pois me dei conta que tinha pensamentos ruins, equivocados, distorcidos. Imediatamente comecei a reestruturar os meus pensamentos, substituindo-os por pensamentos mais adaptáveis, mais coerente com o momento de "dor, de angústia e sofrimento. A medida que comecei a lidar melhor com as minhas imperfeições e fracassos fui compreendendo que é possível ser bom sem ser idiota. Que eu posso ser um pouco melhor a cada instante que se segue e que ser bom é uma herança que deixo para os meus contemporâneos, filhos das minhas entranhas ou não. Acredito que existem ligações invisíveis aos meus olhos imperfeitos e que pertenço à uma força extraordinária a quem chamo hoje de Deus.E, ouso mais! Pertenço ao DNA divino. Tenho a nitidez clara e cristalina do quanto sou imperfeita, mas o quanto Deus é perfeito e pai de todo o Universo e, assim sendo, sou herdeira de tudo que eu mesma produzir: bom ou ruim. Como já comecei a vigiar a qualidade dos meus pensamentos a minha herança genética vai se aperfeiçoando sempre!

Sou psicóloga e constato isso todos os dias ao trabalhar com meus clientes, especialmente nas sessões de constelação familiar. Também a microfisioterapia tem revelado e confirmado essa teoria. Entre outras coisas...

Isis Angeli, compartilho e digo que se observarmos bem , fica mais claro compreender o Karma como algo que devemos resolver para que os descendentes não herdem e também a perdoar os antepassados por esta " maldição " herdada. É muito comum vermos filhos reclamando dos pais que acabam repetindo o mesmo erro no futuro e ao mesmo tempo pais que ficam extremamente desconfortáveis quend o filho repete um "defeito" seu. Quanto ao transplante heterógeno já se conhece histórias de pessoas que têm algumas mudanças de comportamentos após a cirurgia.

Sera que isso explica o comportamento repetitivo dos politicos?
Sera que com terapia cognitivo comportamental,programaçao mental positiva,microfisioterapia poderemos interferir nos comportamentos ruins herdados?

Como fica neste sistema todo órgãos transplantados na corrente do DNA...

Desculpe mas os cientistas não estão descobrindo quase nada ainda.
O que os biólogos estão descobrindo representa apenas 3% da complexidade do DNA.
O segredo está na biofísica e não na bioquímica.
"O cérebro é uma máquina 3-D que responde ao 90% do DNA. É repleta de sinais elétricos que agem tal como são instruídos. 100 trilhões de partes de DNA trabalham juntas e se comunicam como uma unidade. A ciência não sabe como. Existe uma campo interdimensional criado pelo DNA. A consciência, o que o cérebro de cada um faz, que sonha, está entrelaçado com o DNA.
A ciência não pode aceitar isto porque "ainda" não pode ver este campo interdimensional.
Mas existe evidência disto? Bastante!
Quando o ser humano tem um acidente e a espinha vertebral é completamente cortada, isso deixa o corpo inativo. Este é o paraplégico, que não mais pode mover coisa alguma, nenhum dedo, seja ela num pé ou numa mão. Ainda assim o coração continua a bater, não é verdade? A digestão continua, não continua? Nada disso pode deixar de funcionar. Tudo continua a funcionar.
O que pode ser capaz de manter, na eventualidade de uma espinha vertebral ser completamente cortada, um coração a bater?
Quando motor das sinapses está quebrado o DNA encontra outros caminhos e instrui o corpo a continuar com a força da vida. Podemos dizer que o DNA é o cérebro Etérico.
Este é um sistema humano ainda para ser descoberto, o SISTEMA INATO que governa o DNA.
A energia antiga, do passado está programada no sistema inato e continuará operando até receber novas instruções."
fonte: http://www.luzdegaia.org/kryon/lcarroll/inato.htm

O sistema familiar funciona com códigos de condutas, de comunicação e de expressão da afetividade com padrões intergeracionais, ou seja, estabelecidos e transmitidos de geração a geração, padrões que se configuram ao longo de um tempo, sendo raramente verbalizados ou percebidos concretamente na convivência familiar. Grande parte dos conflitos e segredos familiares tem suas raízes em gerações anteriores, porém, a origem dos conflitos, frustrações e ideais profundos permanecem vivos em níveis inconscientes, em que a consciência crítica e a racionalidade não tem acesso, sendo frequentes os insucessos na procura de causas ou de culpados para marcas deixadas pelas gerações anteriores. A qualidade dos relacionamentos familiares se desenvolve num sistema de feed-back circular e dinâmico de trocas onde uma pessoa reage em função do que a outra lhe provoca e vice-versa, em interação constante e mobilização de afetos e sentimentos com significações individuais muito diversas. Visto isso, posso concluir que a abordagem da Terapia Sistemica, poderá ajudar muito as relações individuais e familiares?

Ao que perguntou como fica a teoria da reencarnação, posso dizer que isso é basicamente o que já era falado por ela. Os cientistas estão "descobrindo" agora o que já havia sido decodificado por Allan Kardec a muitos anos. Disso parte os principios da somatização dos nossos hábitos e emoções, e assim como a tendencia de despertar certas "alterações genéticas" que estão latentes de acordo com nosso comportamente no decorrer da vida... Se ainda considerar o principio de que nós possamos estar reencarnados como nossos próprios descendentes, faz sentido que nós herdemos aquilo que nós próprios deixamos guardados em nossos antigos corpos... Claro que a opinião é pessoal e então peço que a respeitem. só estou repassando o que aprendi nos meus 22 anos de vida, sendo espirita desde sempre... :)

Como fica a teória da Reencarnação?
Será que ela realmente existe?

Qual o fator motivador por trás de tudo isso? Pois é feito de átomo.

Sejam coisas do passado? Acho o oposto. Daqui pra frente podem se tornar assunto do presente.

Se isso for realmente possível, poderíamos inferir que a moral seria uma herança genética (e até mesmo evolutiva), na busca de sua origem.

Deixe um comentário sobre o artigo