Diga me que tipo de música escutas e te direi como és?

LuisaoCS

Diga me que tipo de música escutas e te direi como és?

A maioria de movimentos juvenis e ideológicos, além de apresentar um código indumentário inflexível e característico, também sempre vem acompanhados de seu correspondente código musical: a geração beat escutava jazz, os hippies, folk e rock dos anos 60. Os emos e os góticos escutam música melancólica e por ai vai um grandessíssimo etcétera.

No entanto, a música não diz tanto de nós como cremos. Porque a música na realidade só serve para identificar nossa postura, mas não necessariamente deveremos agir conforme a mesma.

Por exemplo, apesar da associação estereotipada de brutalidade com o heavy metal, a maioria de fãs deste gênero musical são pessoas dóceis, introvertidas e pacíficas, tal e qual sugere um estudo liderado por Adrian North, um especialista em psicologia social aplicada da música da Universidade britânica de Heriot-Watt, cuja pesquisa on-line foi respondida por 36 mil internautas de todo o mundo.


Christoph Drosser explica assim em seu livro "The Seduction of Music: Why Everyone is Musical:

"Os pesquisados manifestaram suas preferências com respeito a 104 estilos musicais (da música clássica ao soul) que em teoria eram o reflexo de seus traços de personalidade. Esses traços eram, por exemplo: autoestima baixa ou alta, caráter criativo/não criativo, introvertido/extrovertido, doce/agressivo, trabalhador ou vagabundo."

Estejamos ou não de acordo com este estudo, a verdade é que associar estilo musical com personalidade contradiz o senso comum. Seria como afirmar que se um homem dirige um carro caro é necessariamente rico: poderia estar fingindo sê-lo. No entanto, essa dinâmica é a que se estabelece em quase todas as formas de consumo conspícuo, como ´´e o de música.

Segundo a pesquisa de Adrian, portanto, podemos dizer que os fãs de heavy metal se parecem muitíssimo aos fãs da música clássica -ainda que estes últimos tenham um pouco mais de auto-confiança-. Isto é, que apesar de que musicalmente se distanciem tanto, e já não digamos em vestimenta e outros acessórios, os clássicos e os cabeludos poderiam ser catalogados no mesmo perfil psicológico.

Outro estudo da Universidade australiana de Queensland, liderado por Felicity Baker, confirmam esta ideia, descartando que a música seja um fator causal do comportamento antissocial, por exemplo. Mais bem sugerem que o gosto musical é um indicador de vulnerabilidade emocional:

"Portanto, primeiro existe o estado psíquico e a partir daí cada pessoa busca uma música que se encaixe com ela. E como comentamos, o fato de que uma música tenha uma sonoridade depressiva para ouvidos de um espectador não significa que seja capaz do afundá-lo em uma depressão mais profunda ainda, senão que, bem ao invés, pode ajudá-lo a superar."

O caso é que a maioria das pessoas, quando acaba essa etapa determinante entre os 15 e os 25 anos, permanece fiel aos gostos musicais que desenvolveu durante esses anos. Se tiver mais de 25 tente refletir por um momento e irá chegar a conclusão de que 90% do seu gosto musical vem desse período.

Ocorre também em outras facetas da vida, quando por exemplo vemos que os hippies já meio "passadinhos" continuam usando cabelo comprido ainda que estejam ficando carecas. Por que não? As expectativas cumpridas satisfazem o desejo de nosso cérebro de que as coisas sejam previsíveis. Afinal como diz o ditado popular: "Para que mexer em time que está ganhando?"


Notícias relacionadas:

 

Comentários

acho a maior estupidez da face da terra... a pessoa fazer o estilo de vida dela baseado em musiquinhas... q nem metaleiros andam num sol infernal de coturno e luvas... ou funkeiros q andam parecendo uns idiotas... problema das pessoas hj em dia é q elas nao sao elas mesmas... tentam moldar o pensamento... na onda dos outros...

É, eu acho que faz sentido, mas toda regra tem exceções. Eu conheço gente babaca que tem bom gosto musical, e eu mesmo não tenho um gosto muito definido, ouço as músicas de acordo com o meu estado de espírito.

pessoalmente , acho que o problema da pesquisa não , foi em definir as pessoas, e sim as musicas. Generalizar, ou dizer que Rave Metal, é isso ou aquilo, É muita presunção.

Deixe um comentário sobre o artigo