Cientista ucraniano cria uma bateria que pode alimentar um smartphone por 12 anos

LuisaoCS

Cientista ucraniano cria uma bateria que pode alimentar um smartphone por 12 anos

O cientista ucraniano Vladislav Kiselev, pesquisador sênior do Instituto de Química Bioorgânica e Petroquímica de Kiev, e professor da Academia Nacional de Ciências da Ucrânia, afirma que ele desenvolveu um tipo de bateria que pode alimentar gadgets eletrônicos como smartphones por até 12 anos, sem a necessidade de recarga.

Kiselev revelou seu intrigante protótipo de bateria durante a edição 2016 do Sikorsky Challenge, um prestigiado concurso internacional para projetos de pesquisa. O dispositivo não parece nada impressionante, mas o cientista ucraniano reivindica que ele alimentou continuamente dispositivos eletrônicos por um ano e quatro meses sem uma única recarga, e continuará a fazer assim por os 11 anos seguintes. Isso porque sua "bateria" produz energia em vez de simplesmente armazená-la.


Cientista ucraniano cria uma bateria que pode alimentar um smartphone por 12 anos

Mas como é que, com praticamente todos os fabricantes de baterias do mundo e pesquisadores lutam para chegar a uma verdadeira inovação em tecnologia de armazenamento, Kiselev criou uma que ele afirma durar por 12 anos? O pesquisador diz que foi capaz de fazê-lo, tirando proveito de uma propriedade-chave do Trítio: a capacidade de transmitir elétrons.

Ele acrescenta que a empresa americana City Labs também faz uso do isótopo radioativo do hidrogênio, mas enquanto eles usam células solares cobertas com Trítio, ele optou por células eletroquímicas melhoradas, o que torna a bateria 1.000 vezes mais poderosa. Assim, enquanto as baterias da City Labs NanoTritium fornecem baixa potência para dispositivos como implantes médicos e vários sensores, a versão de Kiselev pode ser usada para alimentar grandes dispositivos eletrônicos e até mesmo carros.

O cientista acrescenta que células eletroquímicas semelhantes à que ele usa em sua bateria foram usadas na Ucrânia desde na década de 1930, mas ninguém nunca foi capaz de usá-las para a geração de energia. Ele e sua equipe foram capazes de melhorar o design, a fim de conseguir isso.

Curiosamente, Kiselev diz que, depois de não conseguir obter subsídios para pesquisas de seu projeto, ele e seus colegas se auto-financiaram. Agora, depois de apresentar os resultados de seu trabalho na referida feira, ele confirma que está em conversações com empresários turcos e chineses para produzir uma versão de sua bateria de Trítio que pode ser usada em telefones celulares.

Cientista ucraniano cria uma bateria que pode alimentar um smartphone por 12 anos

Em relação às propriedades radioativas do Trítio, o cientista ucraniano enfatizou o fato de que algumas substâncias radioativas não são perigosas para os seres humanos e o Trítio é uma delas. Ele realmente é usado como fonte luminescente em relógios de pulso.

Kiselev acredita que o Trítio é o futuro da energia e afirma que o fato de que 11 dos países mais avançados do mundo estão planejando construir um reator de fusão -também baseado em Trítio- para produzir energia é a prova disso. No entanto, ele acrescenta que, embora esses reatores custem dezenas de bilhões de dólares para sua construção, suas baterias de Trítio são uma forma acessível para produzir energia por até 12 anos.

Fonte: Fakty.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo