Kneber: um novo botnet que já infectou mais de 74 mil PCs em todo mundo

LuisaoCS

Uma nova ameaça está se espalhando através da rede e chama-se Kneber. Trata-se de um botnet que poderia chegar a ter o mesmo potencial que teve o Conficker e já conseguiu infectar mais de 74 mil computadores em todo mundo.


KneberO verdadeiro problema deste botnet não é que simplesmente causará algum problema no PC, senão que transformará o usuário em um spammer sem que ele saiba o que está acontecendo, além de roubar logins de correios eletrônicos, redes sociais e, obviamente, contas bancárias. Até agora informaram que ele pode sequestrar senhas de contas do Facebook, Yahoo!, Hi5, MetroFlog, Sônico e Netlog.

O Kneber é realmente complicado de detectar e já comprometeu a informação de 2.500 corporações e instituições governamentais de todo mundo (de fato se encontra funcionando em 196 países e os 5 onde se alastrou são o Egito, México, Arábia Saudita, Turquia e Estados Unidos).

Como acontece com praticamente todas as ameaças que inundam a rede, este sistema infectará computadores que tenham Windows e, sobretudo, Windows XP Professional com o Service Pack 2 (Mac e Linux não serão nem roçados) e conquanto aponta mais a infra-estruturas governamentais, os usuários caseiros também podem estar infectados sem saber.

A forma de proteger é, como sempre, a mais simples: não entrar em sites que possam ter arquivos maliciosos, não abrir e-mails de pessoas desconhecidas e não executar aplicações sem saber de onde saíram.

Via | PC World.


Notícias relacionadas:

     

    Comentários

    Putz x/
    Não sei o por quê desses caras criarem esses vírus...
    Çis nerds gordos que apanham na escola devem construir um vírus tipo esse para demonstrar sua raivinha infantil.. rs'

    Tem cara que não sabe aproveitar as coisas boas da vida e, usam da sua inteligência só para prejudicar aos outros.
    Uma verdadeira tristeza o que sempre aconteceu com a Humanidade que, após criar uma coisa boa, logo encontram uma maneira de desviar para o mal

    Deixe um comentário sobre o artigo