África, a próxima ameaça global em cibersegurança

LuisaoCS

Botnet África

Considerem este cenário apocalíptico: uma rede de 100 milhões de computadores tão infectadas de vírus que seriam capazes de derrubar em alguns poucos ataques às 10 economias mais poderosas do mundo. Atenção, este não é o argumento de um filme de ficção científica, senão uma possibilidade muito real e concreta, uma botnet que espera silencioso para aprontar das suas. De onde vem a ameaça? Seriam os chineses... ou quem sabe os russos que têm esta arma de destruição em massa cibernética? Não. O problema vem da África.


Os peritos em cibersegurança calculam que cerca de 80% dos computadores desse continente estão infectadas com vírus e softwares maliciosos. Até agora, não havia muito com o que se preocupar, mas a chegada dos serviços de banda larga a África poderia desencadear o armagedon.

O cenário mais temível desta história é que os computadores deste continente poderiam ser hackeadas para servir como uma rede zumbi a serviço de algum programador de software sacana. Jeffrey Carr, especialista em guerra cibernética, adverte que uma botnet de um milhão de servidores teria a capacidade suficiente para derrubar as 500 maiores companhias do mundo. Inclusive, uma botnet com a décima parte desse poderio basta para paralisar a infra-estrutura em rede dos Estados Unidos.

A África é muito tentadora para os hackers já que tem a rede mais vulnerável de todo mundo. Segundo uma pesquisa do Banco Mundial, 80% dos africanos carecem de conhecimento mais básico em tecnologias da informação. A maioria do acesso à rede é feita através de lan-houses, os quais não tem antivírus adequados. Ademais, a maioria dos países na África carecem de uma lei qualificadora de cibercrime. Ainda que as nações do continente comprometeram-se a reforçar sua segurança, a verdade é que não há nem um centavo para fazê-lo. É como dizem? a força de uma corrente está no seu elo mais fraco. Só é necessário alguém ligue a Skynet africana para desatar o verdadeiro pandemônio.

Via | Foreign Policy.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

vapo!

Deixe um comentário sobre o artigo