Nem o FBI conseguiu decifrar criptografia de banqueiro brasileiro

LuisaoCS

Dois anos após apreender os computadores no apartamento do banqueiro Daniel Dantas, durante a Operação Satiagraha, a Polícia Federal ainda não conseguiu decifrar a criptografia que protege os dados. Na época, a polícia confiscou seis discos rígidos com capacidade total de 2,1 TB, com a suspeita de que tivessem informações relacionadas aos crimes contra o sistema financeiro e esquemas de corrupção envolvendo políticos.


Durante aproximadamente seis meses, técnicos do Instituto Nacional de Criminalística tentaram decifrar o código de segurança dos arquivos, sem sucesso. No início de 2009 decidiram então pedir ajuda de especialistas do FBI, que após mais de um ano de tentativas também frustradas devolveram os equipamentos contendo os arquivos para o governo brasileiro no mês de abril passado.

O sistema de criptografia usado nos arquivos é o AES 256 bits, considerado um dos mais sofisticados do mercado, e que curiosamente foi criptografado com dois programas baixados na internet, o PGP, adquirido pela Symantec em abril passado, e o TrueCrypt.

A legislação de diversos países europeus e dos EUA contam com medidas legais que obrigam os fabricantes dos softwares ou os acusados a entregarem as senhas que possibilitem o desbloqueio de arquivos suspeitos sob pena maior que a do próprio crime. Infelizmente as leis brasileiras não contam com qualquer mecanismo legal neste sentido e muito possivelmente Daniel Dantas continuará rindo e caçoando da nossa malograda justiça que só prende ladrão de galinha.

Via | G1.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

os americanos onseguiram decifrar mas esconderam a verdade pq nao querem que os brasileiros vejam o que tem dentro
tem algo estranho nessa historia

Se ele fosse obrigado a dizer a senha, qualquer coisa, era só lançar: "Ih! Esqueci a senha!" e pronto.

Onde estão os analistas da Série 24 horas nessas horas? O Morris Obrian decifrava isso com os dedos dos pés no teclado!!!
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.

Deixe um comentário sobre o artigo