O enunciado de Godwin

LuisaoCS

O enunciado de Godwin

A mais famosa das leis da internet, enunciada por Mike Godwin em 1990, estipula que "À medida que cresce uma discussão online, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou nazismo aproxima-se de 1 (100%)". No geral, quando tal comparação é feita, quase sempre em discussões religiosas (cristãos tentando insultar ateístas), é porque quem mencionou Hitler ou os nazis ficou sem argumentos.

É uma das mais famosas, porque na verdade há mais, como a lei de Danth, ou a lei de Pommer. Mas centremos-nos na de Godwin, também conhecida como a regra de analogias nazistas. Segundo a Wikipédia, não é uma lei, senão um enunciado, de interação social na Rede e se popularizou a princípios dos anos noventa.


Mike Godwin é um advogado estadunidense que chegou a trabalhar como advogado da Fundação Wikipédia e foi selecionado em março deste ano como membro da junta da Open Source Initiative.

Seu enunciado não é mais que uma observação humorística da realidade que ele percebia na Internet, e era uma maneira de afirmar que a discussão em um espaço de Internet está caducada quando alguém menciona Hitler e os nazistas. Normalmente nomeava-se este coletivo para afirmar que "eles fizeram algo, e como são maus, essa ação é má por definição", o que levava a discussões subjetivas e às vezes insignificante no fio da discussão.

Muitos moderadores e admins de blogs e fóruns seguem o (equivocado) critério desta afirmação para fechar uma discussão, ainda que exista um corolário no enunciado que afirma que a menção expressa e voluntária de nazistas fracassará como tentativa de terminar a conversa (também conhecida como exceção de Quirk).

Uma objeção comum feita ao meme é que às vezes seus usos são apropriados. Por exemplo:

"O simples fato de que um dirigente melhore a economia não implica sua bondade, porque Hitler também o fez."

Esta frase é compreensível, porque usar um personagem conhecido evita abundar em explicações. A resposta típica de Godwin a esta objeção é sublinhar que sua lei não questiona a propriedade de uma referência particular aos nazistas, senão que, precisamente porque às vezes pode sê-lo, mas devemos evitar o abuso, de forma a assegurar que as comparações válidas tenham o impacto apropriado.


 

Comentários

Ateísta hipócrita detected.
Bem, posso mostrar centenas de argumentos em que os ateístas dizem que Hitler era teísta (o que pode nem ser verdade, Hitler era político, falava o que o seu público queria ouvir).
Mas, sua acusação, "cristãos tentando insultar ateístas (usando o nazismo)" não é encontrada.
Qual será o motivo desse texto mentir de forma tão descarada?

Eu não acredito nesse enunciado. Porque o cristão que usa Hitler numa discussão sem conhecer o contexto acaba se dando mal, afinal, ele era um homem religioso.
Logo, usar um argumento citando hitler é algo mais favorável ao ateísmo, o que excluiria o preposto de que cristãos usam tal argumento para ofender ateus. Acho que seria bem o contrário.

Eu só acho muito pesado (talvez imaturo, talvez ingênuo) que afirmar que a "lei de Godwin" é uma lei. Parece até que é algo natural, como F=ma. Não é só porque o mundo inteiro sai repetindo que é uma lei, signifique que seja mesmo =|
Essa coisa de "lei", quando o assunto é o comportamento humano, nunca dá certo. =)

Ha ah! Vai dizer que vc nunca fez isso?
Eu não fiz! Quer dizer... Essa semana!

Deixe um comentário sobre o artigo