O biocombustível é uma fraude 'flower power'?

LuisaoCS

O biocombustível é uma fraude 'flower power'?
Queimada da cana no interior de São Paulo

O biocombustível, segundo Matt Ridley, da Universidade de Oxford, tem muito mais de "flower" que de "power". Isto é, parece nos algo bom porque na frente tem o prefixo bio, mas que é como batizar Terminator como bioterminator e assim esperar que não venha do futuro matar John Connor.

Nem Jonathan Swift se atreveu a escrever uma sátira na qual os políticos defendessem que (em um mundo no qual as espécies estão desaparecendo e 1 bilhão de pessoas mal têm o que comer) seria benéfico de algum modo para o planeta derrubar as selvas para produzir azeite de palmeira, ou ceder terras de cultivo de alimentos para produzir biocombustíveis e elevar o preço da comida para os pobres, simplesmente para que algumas pessoas possam queimar combustível derivado de carboidratos em seus automóveis em vez de hidrocarbonetos.


Em 2005 produziram a nível mundial aproximadamente 10 bilhões de toneladas de etanol. 45% procedente da cana de açúcar brasileira. Outro 45% do milho estadunidense. Se a isto somamos um bilhão de toneladas de biodiesel feito de colza européia, o resultado é que aproximadamente 5 % das terras de cultivo do planeta Terra deixam de produzir comida para produzir combustível (20% nos EUA).

Junto com a seca na Austrália e o aumento do consumo de carne na China, este foi um dos fatores chave que impulsionaram a oferta mundial de comida abaixo da demanda mundial em 2008, e causaram distúrbios por todo mundo. Os pobres gastam 70 % de seus rendimentos em comida. Efetivamente: os motoristas de automóveis nos Estados Unidos enchiam seus tanques com carboidratos que roubavam das bocas dos pobres.

Sendo assim a situação, somos levados então a imaginar que os biocombustíveis devem oferecer algum grande benefício ao meio ambiente. Só assim se explicaria estas medidas. Mas não é bem assim: fermentar carboidratos é um negócio ineficiente comparado com a queima de hidrocarbonetos.

Cada hectare de milho ou cana requer fertilizantes, pesticidas, combustível para o trator, caminhões e a destilação: todos são combustíveis. De modo que a pergunta é: quanto combustível se requer para produzir combustível? Resposta: aproximadamente a mesma quantidade. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos estimou em 2002 que cada unidade de energia investida na produção de etanol de milho produz 1,34 unidades, mas só levam em conta a energia do grão destilado e seco, um subproduto do processo de produção que serve como alimento para o gado.

Cabe recordar que os estadunidenses triplicaram os impostos para sufragar a indústria do etanol: subsidiam o cultivo de milho, a produção de etanol e pagam mais por sua comida. No Brasil tampouco é diferente, se a nossa gasolina não fosse arbitrariamente batizada com álcool (um subsídio disfarçado), o programa do álcool não teria vida tão longa.

Joseph Fargione, da Nature Conservancy, afirma que usar os solos do Cerrado no Brasil para produzir biodiesel ou as vastas terras da Malásia para cultivar biodiesel do azeite de palmeira, libera 17.420 vezes mais dióxido de carbono que o total das reduções anuais na emissão de gases de efeito estufa do que o liberado pelos combustíveis fósseis.

Ademais, requerem-se aproximadamente 500 litros de água para obter 4 litros de etanol de milho e 20 litros para destilá-los, considerando que só 15% da colheita é irrigada. Em contraste, é necessário menos de 12 litros de água para extrair 4 litros de gasolina e 8 litros para refiná-la. Para conseguir o objetivo estabelecido pelos Estados Unidos de produzir 140 bilhões de litros de etanol ao ano, seria necessário utilizar a mesma quantidade de água que consomem todos os habitantes do estado da Califórnia.

Não tenham dúvida: a indústria de biocombustíveis não é prejudicial somente para a economia, também é prejudicial para o planeta. A principal razão pela qual ganhou tanta força entre os políticos estadunidenses foi o lobby e os financiamentos políticos realizados por grandes companhias.

Via | Matt Ridley em The Rational Optimism.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Muito do que se diz sustentábilidade hoje não passa de marketing da indústria. Sabemos que algums polimeros tem reciclagem economicamente inviável a ponto de ir para os fornos da cimenteiras, sabemos que reciclar papel quando não é economicamente viável é ambientalmente inviável (é necessários o uso de diversos químicos diverente para separar os filmes plásticos dos papéis, entre outros problemas da reciclagem). E é sempre bom lembrar que reciclagem é um remédio pouco eficaz, a prevenção é o uso racional dos recursos naturais.

Tendencioso. Será que alguém por acaso acredita que se houvesse outro cultivo nessas terras, para alimentação, esse alimento seria destinado àqueles que realmente sofrem com o problema da fome?

Luisão, pelo amor que vc tem a Katy Perry pelada e de peruca azul, da uma jeito para que eu possa comentar com meu nick logado. Ou vou te xingar.

Eu não entende o porque dizer que os biocombustiveis são uma fraude. Quem esta sendo enganado? Quem entende do assunto sabe muito bem as vantagens e desvantagens de cada meio de geração de energia. Um dia maré mansa do petroleo vai acabar. E aí?

Não precisamos e não queremos energia nuclear. E tem o problema do lixo atômico. Cada pais que se vire com o que tem, use sua tecnologia, o seus prós para deixar de depender do petróleo dos outros. Por que não investir em energias renováveis? Os biocombustiveis precisam ser melhorados para tornarem-se eficientes com melhor aproveitamento e menos impacto ambiental. Será que isso é impossivel? Não ha necessidade de derrubar florestas pra cultivar cana. Para cozinhar, podemos usar o biogás. Ou fogãozinho à biomassa. E sobre a questão da fome, quem se preocupa realmente com isso? A MAFIA DO PETRÓLEO?

Energia nuclear já!
Ou voce acha que a energia eolica e solar podem girar o mundo sem petroleo.
Biocombustiveis servem somente como paleativo para a grande crise do petroleo, alem de serem ruins para o meio ambiente.
E o problema não é produzir CO2, e sim sujar o H2O.

Na ponta do lápis ficou ótimo.

Ótimo post!

Se pensarmos de uma forma micro o pensamento expressado neste artigo esta completamente correta, porem vamos pensar de uma forma mais ampla.

Vivemos em um mundo capitalista, logo todos buscamos obter o máximo de lucro, logo se as terras destinadas à produção de alimentos está sendo utilizada para a produção de 'bio'combustiveis significa que algo esta errado.

Peguemos como exemplo o Brasil - os impostos cobrados pelo governo inviabiliza a produção de alimentos, honera o consumidor final e quem deveria realmente ganhar algum, o produtor rural, vive de migalhas, muitos para não morrer de fome, ou simplismente pela relação custo beneficio preferem produzir cana de açucar destinada ao 'bio'combustivel há produzir alimentos.

Então não culpem a industria sucroalcoleira ou aos produtores rurais, pois se nós que moramos nas cidades queremos e nos dizemos merecedores de uma vida confortavel, eles tambem te direito a isso.

Se queremos a produção de alimentos temos que fazer com que isso valha a pena, ou estaremos sendo tão egoista quanto aqueles a quem criticamos.

Deixe um comentário sobre o artigo