A história do inseto inexistente que come pedras

LuisaoCS

A história do inseto que come pedras e que nunca existiu

Não é incomum, nos dicionários e enciclopédias, encontrar exemplos de entradas fictícias, algumas delas para capturar as pessoas que violam os direitos autorais copiando literalmente alguma entrada ou simplesmente como travessura. Esta classe de artigos são conhecidos como mountweazel, em homenagem a fotógrafa estadunidense Lillian Virginia Mountweazel, que em realidade nunca existiu.

Um dos casos de mountweazel mais célebres ocorreu na Wikipédia alemã. Nela aparecia uma entrada com referência a um inseto de mentira chamado Leuchtschnabelbeutelschabe, que finalmente a comunidade wikipedista decidiu apagar, ainda que se manteve como fidedigna desde 2003 até 22 de julho de 2008. Mas quero falar de outro inseto. Comia pedras. E também é de mentira.


A maioria de listas onde aparecem os membros do parlamento alemão (incluindo sua página oficial) assinalam um político fictício chamado Jakob Maria Mierscheid, que se supõe como membro do parlamento desde 1979. Entre as atividades nas quais tem tomado partido este político fantasma está a de ter feito um simpósio em Frankfurt sobre uma animalzinho realmente raro: um cupim das pedras.

A enciclopédia médica alemã Pschyrembel Klinisches Wörterbuch dedica uma entrada a este divertido inseto (Petrophaga lorioti), que é um ácaro que tem entre 20 e 24 milímetros de comprimento que consome diariamente a nada depreciável quantidade de 28 kg de pedras, ainda que esse número pode ser alterado, claro está, em base à densidade e o sabor das pedras.

A entrada foi escrita por causa de um documentário para a televisão onde é possível ver o tímido cupim comendo pedras e rochas em seu hábitat natural. Por suposto, como já indica seu nome em latim, que assinala ao humorista alemão Loriot como seu criador, o inseto comedor de pedras em questão é uma piada que a enciclopédia incluiu como verdadeira.

Esta entrada foi apagada da enciclopédia em 1996, mas após o protesto massivo dos leitores, foi reintroduzida de novo no ano seguinte, com uma seção estendida sobre o envolvimento deste cupim devorador de pedras na queda do Muro de Berlim. Ao que parece, o muro foi construído sobre áreas habitadas pelo bichinho comilão.

Outra hipótese que se incluiu, ainda mais aventurada, é que o cupim das pedras também esteve implicado diretamente no fim da Idade de Pedra. Em sua edição de 2007, a Pschyrembel Klinisches Wörterbuche leva o artigo um pouco além, implicando também o inseto em determinados resultados conseguidos com a medicina homeopática. O que é irônico, tendo em conta que o inseto em questão não é verdadeiro e que os fundamentos da homeopatia são também uma grande piada, apesar de que infelizmente se inclua como verdadeira -e não precisamente de forma intencional- em muitas enciclopédias de medicina.

O caso é que esta técnica de publicar algum artigo com informação equivocada se tornou um padrão nos blogs de Ciência que desejam saber quem está praticando CTRL+C CTRL+V com seus posts. Isto acontece devido ao fato de que o kibador não tem muita preocupação em ver se todas as informações são verídicas e copiam tudo, inclusive pontuações desnecessárias. De forma que eu sei o que muito blogueiro andou copiando no verão passado. ;-)


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Muito boa esta dica. Vou aplicar hoje mesmo para pegar uns fdp.

Kkkk, muito bom!

Já vi essa do Felix :roll:

Boa ideia essa ai.

É bem simples Kong, mas há que ser sutil para pegar o mais sorrateiro dos kibadores.

Em geral, isso pode ser feito com nomes. Por exemplo escrever um artigo sobre gatos e referenciá-lo com "Felix silvestris catus", em vez de "Felis silvestris catus" que é o certo. Espere 2 ou 3 dias e faça uma busca composta no Google com a referência errada "Felix silvestris catus" (com aspas).

Todo o retrornado além de seu site terá grandes possíbilidade de ser uma cópia. Tem kibador tão sacana, que é capaz de copiar o post e colocar a data de um dia anterior.

Eu promovi um mudança neste post só para demonstrar, acrescentei a letra "e" em "Pschyrembel Klinisches Wörterbuch", o que muda totalmente o seu significado. Se fizer uma busca de "Pschyrembel Klinisches Wörterbuche" (com aspas) no Google só vai encontrar o NDig nos resultados. ;-)

Como faz esta prática para descobrir kibador Luis?

Deixe um comentário sobre o artigo