Cientistas asseguram que não podemos ser empáticos e analíticos ao mesmo tempo

LuisaoCS

Cientistas asseguram que não podemos ser empáticos e analíticos ao mesmo tempo

Segundo um estudo de acadêmicos da Universidade Case Western Reserve, quando o cérebro funciona a rede de neurônios que nos permite empatizar -ou seja nossa habilidade para apreciar o custo humano de nossas ações-, ao mesmo tempo suprime a rede de neurônios que necessitamos para analisar uma tarefa, e vice-versa.

Ou seja, o estudo demonstrou pela primeira vez que nosso cérebro integrado uma restrição neuronal que nos inabilita a ser empáticos e analíticos ao mesmo tempo. No popular, nosso cérebro funciona de uma forma similar a quando uma pessoa vê essas típicas ilusões que mostram uma imagem que poderia ser, por exemplo, um jarro ou duas pessoas se olhando face a face. O cérebro não pode ver as duas imagens ao mesmo tempo, ou o interpreta como as silhuetas, ou como um jarro.


Para demonstrá-lo recrutaram 45 voluntários e observaram-nos com uma equipamento de ressonância magnética enquanto pediam que resolvessem problemas relacionados com a física e com os sentimentos de outras pessoas. As imagens mostraram que quando resolviam problemas sociais, as zonas do cérebro associadas à análise eram desativadas, e quando resolviam problemas de física, era a vez das zonas relacionadas com a empatia ficarem desativadas.

A descoberta pode acarretar grandes conseqüências no tratamento de diversas desordens neuropsiquiátricas como a ansiedade, depressão e esquizofrenia.

- "Os tratamentos precisarão equilibrar estas duas redes neuronais. Atualmente a reabilitação -e a educação em geral- enfoca-se em refinar as redes analíticas, pese a que há mais córtex cerebral dedicado às redes sociais", afirmou Anthony Jack, o líder da equipe de acadêmicos.

- "Uma pessoa não pode viver sem ambas as redes", assegura Jack. "Não é adequado favorecer uma em detrimento da outra, senão alternar entre ambas eficientemente e ocupar a rede correta no momento correto", finaliza.

Via | Science Daily.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Eu, por experimentação direta em cobaia atesto e corroboro o experimento.

Quanto mais analítico se mostrou o bichinho em estudo, menos empatia ele apresentava, com pontos culminantes de aversão á sua pessoa em determinados locais. Criou-se um vão entre ele e um grupo que tem pontos comuns de afinidade.

Deixe um comentário sobre o artigo