Insônia? Talvez seja por usar seu tablet ou notebook antes de dormir

LuisaoCS

A que idade somos mais empáticos?

Nos anos recentes insistiram muito, em termos quase laudatórios, na mobilidade dos dispositivos e novos gadgets como uma qualidade positiva que, entre outras coisas, nos permite utilizá-los em quase qualquer momento e lugar, algo que, efetivamente, pode ser vantajoso, mas também prejudicial, entre outros aspectos, em relação a nosso sono e a qualidade de nosso descanso.

De acordo com um estudo realizado por Mariana Figueiro, do Centro de Pesquisa de Iluminação do Instituto Politécnico Rensselaer, com sede em Nova Iorque, passar um bom momento em frente à tela de algum destes dispositivos com seu brilho no máximo, altera a segregação de melatonina, um hormônio fundamental no funcionamento cíclico de certos processos corporais como o sono.


A melatonina é a substância encarregada de advertir o corpo sobre a chegada da noite e o consequente começo da sonolência, no entanto, no caso dos tablets e dos computadores, a frequência da luz de suas telas, que se encontra em um faixa entre o azul e o branco, provoca que dito sinal seja atrasado e, portanto, também a sensação de ter sono. Mas se o uso noturno do dispositivo converter-se em um hábito sustentado, as consequências vão contra o sistema circadiano, que regula alguns de nossos processos mais elementares e importantes e em relação com nossa fisiologia evolutiva, desencadeando problemas em outros âmbitos de saúde.

Depois de sua pesquisa, Mariana confia que os fabricantes destes dispositivos pensem um pouco mais nos ritmos circadianos de seus usuários e encontrem maneiras de minimizar a luz emitidas por suas telas, sobretudo no caso de quem utiliza os equipamentos a noite.

Mas enquanto isto não acontece, o melhor é fazer um favor a seus hábitos de sono e baixar um pouco o brilho da tela de seu note ou de seu tablet ou, melhor ainda, ler um livro e deixar que o abandono onírico chegue pouco a pouco.

Via | Mashable.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo