Adeus às conspirações? Fecham as instalações do HAARP no Alaska

LuisaoCS

Adeus às conspirações? Fecham as instalações do HAARP no Alaska

O programa do governo americano encarregado de estudar a ionosfera, o High Frequency Ative Auroral Research Program (HAARP), protagonista das mais incisivas e desaforadas conspiranoias nos últimos anos, foi fechado ao menos temporariamente. Aparentemente capaz de modificar o clima utilizando frequências eletromagnéticas, o HAARP foi acusado de provocar desastres naturais tão longínquos quanto o tsunami do Japão, o furacão Katrina ou o terremoto do Haiti. Milhares de conspiranoicos, gente que não sabe fazer a mais básica conta aritmética, vigiavam constantemente as ações do HAARP, radares satelitais e complicadas anomalias, na espera de encontrar a prova definitiva de que se tratava de uma arma meteorológica.

Há alguns dias o diretor administrativo do HAARP, o Dr. James Keeney, divulgou que as instalações do HAARP estão fechadas desde maio, devido a falta de fundos. O HAARP poderia fechar definitivamente se nenhuma agência governamental tome as rédeas e dirija o orçamento. No próximo outono boreal o DARPA programou completar uma pesquisa sobre fenômenos magnetosféricos e tempestades elétricas, motivo pelo qual abre certa esperança de que o HAARP seja reinstituído. O custo de manter o HAARP operando a máxima capacidade é de 500 mil dólares por 10 dias.

Será este o fim das conspirações sobre alterações climáticas e armas misteriosas? Seguramente os partidários das teorias de conspiração encontrarão alguma explicação para o fechamento do HAARP, a mais óbvia que o governo busca distrair a atenção, tirando a pressão das suspeitas que estavam se tornando um tanto incômodas e retomando sua pesquisa sobre armas climatológicas em outro lugar -ou que tudo se trata de uma fachada para poder operar sem atenção mediática-. O que talvez seja verdadeiro é que todas esta patacoada promovida pela imprensa pode ter sido uma das razões pelas quais descontinuaram os fundos.

Via | ARRL.



Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo