As mulheres mais inteligentes são as que menos querem ser mães

LuisaoCS

As mulheres mais inteligentes são as que menos querem ser mães

De acordo a um estudo realizado por Satoshi Kanazawa, psicólogo da Escola de Economia e Ciências Políticas de Londres, um maior quociente intelectual diminui o impulso de ter filhos, especificamente encontrou que o desejo da mulher de ter filhos diminui 25% para cada 15 pontos de QI adicionais.

Quando Kanazawa, que utilizou dados do Estudo Nacional de Desenvolvimento Infantil do Reino Unido, acrescentou fatores econômicos e de educação, o resultado permaneceu o mesmo: é menos provável que a mulher mais inteligente (linearmente) queira ter filhos.

Os números publicados pelo Instituto Nacional de Estatísticas de Londres revelam que a proporção de mulheres sem filhos quase duplicou desde a década de 1990. Uma da cada cinco mulheres de 45 anos de idade não tem filhos.

No entanto, o psicólogo critica a decisão das mulheres, porque "estão evitando seu destino biológico e desta maneira, a sociedade com menos mães inteligentes terá menos crianças inteligentes e isto pode ter drásticos desdobramentos no QI da população futura".

Via | Huff Post.



Notícias relacionadas:

 

Comentários

Acredito que haja um processo cíclico, no qual a humanidade vai se emburrecendo e então acontece alguma catástrofe como a peste bubônica, e acaba aumentando a proporção de inteligentes novamente.
Os intelegentes não veem filhos como prioridade na vida.

Enquanto as outras mulheres (menos inteligentes) procuram os tipico macho alfa, um cara bruto e burro.
Provavelmente isso tornaria e torna a humanidade mais estupida.
Mas na realidade, ela já é estupida, existe uma piramide de inteligencia tão desproporcional quando a de riquesas.
Enquanto existe 4 pessoas com 40 desvios padrão de inteligencia no mundo todo, a maioria, 99% fica dentro do mesmo limite de inteligencia, o que equivale a 100 de QI. Ou seja, inteligencia não é uma caracteristica predominante do homo sapiens, ela é mais rara do que olhos azuis, ou pelo ruivo.
Não dá para dizer se esse padrão é moderno ou sempre foi assim.
De toda forma, o fato da humanidade ser burra no geral, não atrapalhou em nada o desenvolvimento da sociedade.
No máximo atrsou uns 2000 anos, porque pessoas desfavorecidas intelectualmente tendem a ser religiosas e a Historia sempre mostra o quão ruim as coisas ficam por conta da religião.
Mas no final os iluministas venceram, e o agnosticismo é a terceira "religião" que mais cresce. Se parte da humanidade esta colocando parte da religião de lado, já mostra que ela esta na verdade se tornando mais inteligente (pelo menos em alguns lugares). Ainda mais porque não ocorreu o aniquilamento na guerra fria.

Quanto à crítica de Kanazawa, não há um consenso quanto às "causas" da inteligência - genética e ambiente/educação -, mas este binômio parece ter um peso maior. Assim, a justificativa da crítica do referido psicólogo poderia ser "compensada" por aquelas crianças com mais acesso à educação.
Com base nesse raciocínio, poderíamos compreender uma possível causa para o observado no estudo: mulheres com um maior acesso ao conhecimento tornam-se mais inteligentes e apresentam um grau maior de instrução; por conseguinte, têm uma noção maior de medidas que visam ao controle de natalidade, como melhores maneiras de realizar um planejamento familiar (pese que uma mulher mais instruída compreende as inúmeras responsabilidades que envolve a criação de um filho). Aliado a isso, também há um interesse maior em se aperfeiçoar - na carreira -, deixando a possibilidade de ser mãe para segundo plano.

Deixe um comentário sobre o artigo