A origem das doenças mentais poderia estar nos... intestinos

LuisaoCS

A origem das doenças mentais poderia estar nos... intestinos

O psiquiatra James Greenblatt, além de analisar a história clínica dos pacientes que vão vê-lo, enfatiza no estado de seu sistema digestivo. Segundo ele -e um número crescente de pesquisadores ao redor do mundo-, os intestinos têm um papel fundamental na saúde mental. No caso de "Mary", Greenblatt conseguiu que os sintomas de um severo Transtorno Obsessivo Compulsivo e um Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade cedessem em seis meses utilizando psicoterapia, medicação e probióticos, medicamentos que ajudam a equilibrar os micróbios de nossa flora intestinal.

- "Os intestinos em realidade são seu segundo cérebro", afirma Greenblatt, pois - "existem mais neurônios no trato digestivo do que em qualquer outro lugar do corpo, além do cérebro."


Os psiquiatras sabem há anos que existe uma conexão entre o sistema digestivo e as doenças mentais: a ansiedade provoca diarréia e náusea, e a depressão dificulta a ingestão de alimentos. A mudança que Greenblatt e outros pioneiros propuseram é que o estômago não está subordinado ao cérebro, senão que o cérebro reage aos intestinos.

Pode parecer difícil de crer, exceto quando consideramos que cerca do 90% das células de nosso corpo são bactérias: desde o momento em que saímos da placenta, os micróbios começam a habitar em nosso corpo, tão próximos de nós que sem eles nossa vida seria impensável.

Em experimentos com ratos, bactérias probióticas surtiram efeito para reduzir os níveis de ansiedade e hormônios do estresse, e inclusive pesquisadores como John Bienestock compararam o efeito dos probióticos com as benzodiazepinas como o Valium ou o Xanax.

Mesmo que os efeitos sejam impressionantes, ainda são necessárias muitas pesquisas para seguir desenvolvendo a relação entre nosso sistema digestivo e os padecimentos da mente.

Via | The Verge.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo