Por que uma mulher provoca sexualmente e depois cai fora?

LuisaoCS

Por que uma mulher provoca sexualmente e depois cai fora?

Eu recebi um e-mail muito desaforado a respeito desse texto, e que de certa forma tinha procedência pois alguns parágrafos podiam ser interpretados por cabecinhas maldosas como se tratasse de uma classe de apologia ao machismo. Nada disso, detesto isso, em realidade tenho pavor.

O texto somente discorre sobre esta ambiguidade feminina de morder e assoprar, de se vestir sensualmente e xingar o coitado do pedreiro de tarado quando ele assovia ou grita: "Oh lá em casa!". Infelizmente com o evento da Internet, as pessoas perderam a noção de descobrir o sarcasmo na escrita, e como disse um amigo dias atrás, é necessário um emoticom para que o texto seja, mais ou menos, entendido.

Da mesma forma, em momento nenhum, escrevo que uma bela maquiagem ou um lindo decote justifique uma violação: isso é coisa de gente demente e também diz muito sobre a personalidade doentia de quem possa ter interpretado desta forma medíocre e maldosa.

De qualquer forma reescrevi uma meia dúzia de linhas de forma mais explícita para que isso fique realmente evidenciado (ou desenhado):

Deixando de lado as críticas feministas, a verdade é que sob a biologia evolutiva é possível teorizar a respeito desse comportamento tão contraditório nas mulheres que consiste em chamar a atenção com seus atributos sexuais ao mesmo tempo que depois renega essa atenção que se baseia em seus atributos.

Diz a cultura popular que as mulheres, no fundo, nunca se embelezam para os homens senão para criar inveja em uma estranha concorrência com outras mulheres. Em qualquer caso, esta mesma cultura popular também tem expressões vulgares e grosseiras como "mulher-mela-cueca", o tipo que provoca provoca e nos deixa na mão, pois este comportamento de "atirar a pedra e esconder a mão" se origina em mulheres de todas as sociedades.


Façam a prova: contemplem qualquer mulher que se queixa porque os homens só a olham do pescoço para baixo, provavelmente usa um baita de um decotão ou está muito bem maquiada, por exemplo. E isso não é uma crítica ao decote pronunciado e nem muito menos ao rosto maquiado, apenas a evidência da ambiguidade da situação, essa contradição que é explicada de forma muito ilustrativa por Desmond Morris, no ótimo "O macaco nu, de 2001.

O ser humano é um primata de acentuada sexualidade, no entanto, no caso da mulher, ela repensa uma e outra vez que chegar até a uma relação sexual pode comportar uma série de encargos dos quais o homem está isento: a gravidez, por exemplo, ou o custo de fabricar um óvulo em comparação com um espermatozoide. Por essa razão, a mulher não pode evitar as provocações sexuais ainda que depois não vá levar a sério essa sexualidade:

"A mulher cobre os seios, e seguidamente acentua sua forma com sutiãs que os destacam, em um artificioso estimulante sexual que pode ser almofadado ou que valorize a sua forma oculta, que realce e o aumente, imitando desta maneira a tumescência dos seios que acontece durante a excitação sexual. (...) O generalizado apelo do batom, ruge e perfume, para aumentar o estímulo dos lábios, do rubor e do cheiro do corpo, respectivamente, apresenta grandes contradições. A fêmea que mediante o banho suprime sistematicamente seu próprio cheiro biológico, o substitui a seguir com perfumes comerciais sexy, que, em realidade, não são mais que formas diluídas dos produtos das glândulas odoríferas de outras espécies de mamíferos -incluindo os de vacas- totalmente diferentes."

Apesar de todos estes apelos artificiais para potencializar a sexualidade em um possível flerte, depois acontecem muitos tipos de restrições de caráter sexual. Tal e qual expressa Morris:

"Por que ligar o ar condicionado para depois puxar o cobertor? Por um lado para tentar evitar um estímulo sexual desenfreado que pode romper laços entre o casal. No entanto, não há uma restrição sexual absoluta. Por que não limitar então estas exibições no âmbito do relacionamento?"

Em parte, porque nosso alto nível de sexualidade precisa de uma constante expressão e distração (pelo menos para os homens). Esta sexualidade foi criada para manter o casal unido mas, ao mesmo tempo, é uma fonte de problemas alheios ao casamento porque também se desenvolve fora de sua atmosfera, como se fosse um jogo, como se fosse um Rapo.

A outra parte da resposta, apesar de que elas não gostem de admitir, é que o sexo também é usado pela mulher por motivos de conveniência. Se a parceira nos chama pelo diminutivo ou um apelido carinhoso demandando sexo fora de hora, alguma coisa tem, e isso é válido para todos os primatas. Se uma chimpanzé quer se aproximar de um macho agressivo com fins não sexuais, às vezes realiza uma exibição de caráter sexual, não para copular com ele, senão porque despertando seu impulso sexual o suficiente também eliminará seu impulso agressivo. Estas formas de comportamento denominam-se atividades retromotivadoras muito bem utilizadas pelas mulheres para engambelarem os coitados de nós homens. E na maioria das vezes sabemos disso, mas deixamos ser enganados, porque afinal, conforme dito, é retromotivador.

A fêmea emprega o estímulo sexual para remotivar o macho e conseguir, desta forma, uma vantagem não sexual. Ainda que esta estratégia, em uma espécie como a nossa, na qual os indivíduos estão atados por casais, entranha seus riscos. E diferente do que poderia inferir uma mente doentia, tais riscos não constituem violação, violência ou coisa do gênero, senão uma chateação desnecessária que pode descambar em discussões e até em separações de um potencial relacionamento. Por isso este estímulo não deve ir muito longe, porque afinal existe um limite que deve ser observado, afinal ninguém tem sangue de barata.

Aceitando as básicas restrições sexuais impostas pela sociedade, é possível a uma mulher dar claros sinais ao seu parceiro de que "não está disponível para a cópula" (dor de cabeça) e, ao mesmo tempo, dar outros sinais que digam: "não obstante, continuo muito gostosa". Estes últimos cumprirão sua missão de reduzir o antagonismo, enquanto os primeiros farão com que seu desejo seja respeitado naquele momento. Desta maneira, conseguem assoviar e chupar cana.


 

Comentários

E, em tempo, ninguém tem sangue de barata. Nem homens, nem mulheres.
Os homens parecem estar mais prontos para o sexo ou excitação antes que as mulheres e isso tem explicação hormonal, biológica, cultural..
As mulheres precisam de um pouco mais de estímulo. Só isso.

Eu acho que toda mulher quer ser admirada também pelo visual, seja pelo seu homem, se está comprometida, ou por outros homens.
Faz bem pra estima. E não dá pra generalizar mas a gente vê claramente quando algumas jogam todo o charme possível pra cima de homens pra conseguir algum benefício não sexual realmente.

Outro ponto que nem sei se cabe no assunto do post mas me veio à cabeça é sobre pq nos ofendemos de vez em quando com uma cantada. Penso que tem muito a ver com o tipo de homem que queremos seduzir ou com o tipo que achamos que "nos merecem". Se a cantada for espirituosa e não ofensiva e vier de determinado tipo, tudo bem, caso contrário ficamos nos sentindo mal e ofendidas.
Um exemplo, que pelo menos na minha opinião é ofensivo, são as cantadas ou os olhares muito acintosos de qualquer homem casado.

Espero que a moça dos comentários não volte a ler pq corro risco de ser apedrejada pela minha opinião pq acho sim que a função dos seios é amamentar E dar prazer ao homem e à mulher.
Se ela não se sente feliz em ver seu parceiro sentir prazer acariciando ou beijando seus seios e ela mesma não sente também esse prazer é um problema dela e não deve argumentar como se fosse a visão de todas as mulheres.

Em momento nenhum eu me irritei, fui sarcástico, se tem problema para perceber.

Sobre estudo doutrinário você continua falando besteira.

Sim, me falta conhecimento acadêmico. Talvez seja por isso que dou aulas para ingênuas como você.

Imposição cultural... bla bla bla... discurso mal feito e pior interpretado.

Melhor parar mesmo, vá ler um livro, menos os doutrinadores, porque senão continuará a falar com erística medíocre.

A internet ao mesmo tempo em que possibilitou esta explosão de conhecimento trouxe junto um tipo de pessoa desprovida de quaisquer referências e de embasamento científico, que se acha no direito de ser ouvida e levada a sério quando fala bobagem pelos cotovelos, o que lembra muito o complexo do pombo enxadrista.

Caro Roger. Não sou feminista. Não sou femista. Não sou machista. Você se irrita pois não tem base argumentativa. Estudos doutrinários não são de religião, veja-se a própria ciência social, que remete seus estudiosos como doutrinadores. Como vejo que lhe falta significativo conhecimento acadêmico, encerro esta discussão. A função do seio é amamentação e não prazer sexual masculino. Acho que você se perdeu no meio da própria imposição cultura que eu referi antes. Mas.. boa sorte no seu amadurecimento pessoal.

Seio está relacionado com sexo, foi você quem fez uma analogia seio-amamentação para distorcer o assunto e justificar um argumento enviesado.

Simplismo é desconsiderar o hormônio do amor e do sexo quando o assunto é sobre sexo. Sai ai uma macarronada, sem mcarrão por favor!

Não existe estudo doutrinário em ciência, isso é coisa de religião garota. Se não percebeu o sarcasmo, minha última frase foi em relação a atitude tomada por algumas mulheres. Algo como sensualidade atrai, vulgaridade não. Limite da vulgaridade na natureza? Você parece bem confusa.

Não existe nenhuma acepção imposta, não procure chifre em cabeça de cavalo!

Deveriam se "abster" de decotes? Homem de camisa decotada é estranho viu, devo dizer que nunca vi. Homens, como não têm estrogênio, não cobrem seus peitos para depois evidenciá-los e tampouco negociam com suas glândulas mamárias, mas por sua lógica torta devo pensar que anda de seios de fora e nem usa sutiã. (Desculpe, não estou sendo grosseiro, nem te insultando, só argumentando) Por sua vez, homens usam seus músculos, inclusive peitorais, para seduzir, mas são um total fracasso pela pouca ou quase nula tostesterona, responsavel pelo desejo sexual, no corpo feminino, e que explica porque as vezes o homem "não tem sangue de barata".

Como você me explicaria as sociedades indígenas? Você mesma deveria pensar um pouquinho e responder esta pergunta, porque não entendeu nada do assunto. O ser humano em um momento do marco evolutivo passou a se cobrir para se proteger do frio e da natureza bruta. Centenas... milhares de anos depois o humano civilizado cobre suas vergonhas e a mulher espertamente joga com elas (com as vergonhas). Acho que é isso que o texto mostra: a ambiguidade feminina de se cobrir e mostrar um pouquinho para provocar, de se banhar e tirar os fluídos corporais e depois se perfumar para chamar a atenção.

Fazer suposições feministas (ou femistas) sem sentido para parecer inteligente não é muito inteligente. Também deve saber que posar de feminista antenada é tão ou mais bobo que posar de machista ignorante, são dois opostos da mesma moeda. Cultura impositiva de comportamentos? Não sei o que você andou fumando, mas devia ser forte viu!

Em tempo.. Como você me explicaria as sociedades indígenas onde é comum o desuso de vestimentas? O fato das índias estarem nuas é provocativo? Ou apenas atingiria você, personagem de uma cultura impositiva de comportamentos? Creio que esse comportamento ataca frontalmente essa "biologia evolutiva" manipulada.

Meu caro. Amamentação não é sinônimo de sexo. Sobre oxitocina não entrarei no mérito porque claamente a sua concepção é simplista. de qualquer forma, Peço encarecidamente que me traga os estudos dourinários acerca do limite da vulgaridade na natureza. Friso apenas que a própria vulgarização de qualque ato é CULTURAL. Nunca natural. O sistema natural não assimila tal conceito. Mas.. Enfim. Infelizmente quando se trata de atitudes femininas corporais ou comportamentais é essa equivocada acepção que é imposta. Aliás, homens (já que cm glandulas mamárias da mesma forma) deveriam se abster de decotes ou exposições pela sua lógica.

Resposta ao comentário anterior:
Sim, é sinônimo.
A amamentação libera oxitocina. No dia em que for mãe vai entender o que isso quer dizer.
Não importa se somos os únicos, o que importa é que a reação existe. Costumes que mudam o meio fazem parte da biologia evolutiva.
Existe um limite para tudo, inclusive para ser vulgar.

Quer dizer que seios são sinônimo de sexo? Biologicamente falando seria sinônimo de amamentação. Creio que a conotação sexual foi imposta culturalmente, até porque seriamos nós os únicos seres vivos a ter tal reação diante de peitos? Temo que usar esse tipo de argumento incite comportamento sexual agressivo de forma justificável, já que os "homens não têm sangue de barata".

assoviar e chupar cana, gostei!
Pelas experiencia que eu passei, as mulheres "gostam" de provocar, como se isso aumentasse seu Ego ou alguma coisa assim.

Deixe um comentário sobre o artigo