Ensaios clínicos mostram um promissor tratamento contra o vício à cocaína

LuisaoCS

Ensaios clínicos mostram um promissor tratamento contra o vício à cocaína

Um estudo realizado pela Escola de Medicina da Universidade de Maryland com a colaboração do Departamento de Saúde e Serviços Sociais dos Estados Unidos revelou que o topiramato, um medicamento utilizado há anos para tratar, entre outros, a epilepsia, as enxaquecas e o alcoolismo, poderia se converter também no primeiro fármaco para ajudar a combater o vício à cocaína de maneira efetiva.

De acordo aos dados manejados pelo Escritório das Nações Unidas contra a Droga e o Delito, na atualidade há 16,22 milhões de pessoas viciadas nesta droga em todo mundo. Um problema de enorme magnitude já que seu uso continuado aumenta o risco de sofrer infartos, trombose, derrames cerebrais, complicações no sistema nervoso, acelera a arteriosclerose e também causa episódios de paranoia transitória.


No ensaio participaram 142 pacientes maiores de idade que buscavam tratamento para frear seu vício nesta droga. Uma vez que descobriram sua conformidade, foram distribuídos a esmo em dois grupos: um que recebeu topiramato e o outro recebeu um placebo.

Com a passagem das semanas, os pesquisadores comprovaram que os pacientes que tomaram doses de topiramato experimentaram uma menor ansiedade por seguir drogando-se e, portanto, conseguiram passar mais dias em abstinência e notaram uma melhoria física em relação aos que receberam o placebo.

A ingestão de topiramato mostrou ter efeitos colaterais pouco relevantes para além de episódios de formigamento na pele e dificuldade para concentrar-se em determinados momentos. Em vista de tais resultados, o responsável pela pesquisa, Bankole A. Johnson, manifestou que estamos ante um fármaco seguro e eficaz para o tratamento do vício à cocaína que pode contribuir de maneira importante a aliviar a crise sanitária mundial que o uso desta droga gera atualmente em amplas regiões do planeta.

Via | Science Daily.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Tomei a liberdade de compartilhar no meu Face.

Deixe um comentário sobre o artigo