Testam com sucesso em macacos uma nova vacina contra o HIV nos EUA

LuisaoCS

Testam com sucesso em macacos uma nova vacina contra o HIV nos EUA

Um grupo de pesquisadores americanos experimentou com sucesso uma nova vacina que impediu em 90% dos casos que macacos contraíssem o vírus da AIDS. No ano que vem iniciaram o ensaio clínico da vacina em humanos. A equipe de médicos do Beth Israel Deaconess Medical Center, encabeçados por Dan H. Barouch, anunciou a criação de uma nova vacina contra o HIV. Segundo os cientistas, ainda que a vacina não supere integralmente a doença, sim conseguirá reduzir o risco de contágio.

Trata-se da primeira estratégia eficaz contra o HIV global em primatas não humanos, afirmam os pesquisadores. A fase seguinte é testá-la em humanos.


O maior problema na luta contra o HIV é a grande variedade genética de suas estirpes e sua adaptabilidade. Em diferentes partes do mundo existem diferentes tipos de vírus. Uma das principais vantagens da nova vacina é que poderá servir como base para desenvolver uma vacina universal contra todas as estirpes do HIV.

A nova vacina usa antígenos otimizados de maneira bioinformática conhecidos como "antígenos mosaico". Isso permite oferecer maiores vantagens com respeito às demais vacinas, que unicamente são eficazes em certas regiões do mundo.

Após a imunização, os macacos foram expostos em reiteradas ocasiões a vírus da imunodeficiência tanto de símios quanto de humanos para avaliar a efetividade das vacinas à hora de bloquear o contágio. Os pesquisadores detectaram uma redução entre 87% e 90% das probabilidades de infecção.

Os resultados do estudo fazem pensar que conseguir uma vacina contra o HIV global é possível. Testes clínicos em humanos começarão no ano que vem.

O problema da AIDS segue como uma das maiores ameaças contra a humanidade. Não é de estranhar que cientistas de todo o mundo se dediquem à busca de um remédio para a chamada "praga do século XX". Constantemente anunciam descobertas científicos contra a doença, mas ainda não encontraram nada que tenha se mostrado eficaz.

Via | Science Daily.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo