Milionário planeja regresso dos Beatles como hologramas

LuisaoCS

O negócio da holografia está por explodir nos seguintes anos. Já vimos interessantes aparições em festivais de música e inclusive em protestos de rua, mas isto é a ponta do iceberg.

- "Felizmente, o negócio dos hologramas é maior que o pornô. E não terá nenhum impedimento para que chegue a ser maior que a indústria cinematográfica", disse Alkiviades David, milionário grego de 47 anos, em uma entrevista publicada por Vulture.

O grego investiu mais de 20 milhões de dólares fazendo isto realidade, após criar a patente que levou Tupac Shakur ao festival de Coachella 2012.

Cansado de não saber o que fazer com os milhões ganhados com uma das principais empresas engarrafadoras da Coca-Cola, David quis levar à realidade o que era visto como um hiper-futurismo em Star Wars, com a indústria dos hologramas hiperreais como o que apareceu nos prêmios Billboard 2014 (vídeo acima).


Como não é o único nesta indústria, talvez a vantagem deste magnata -além de ter muito dinheiro para gastar: recordemos que em 2010 ele ofereceu milhões para aquele que se aproximasse nu do presidente Obama e gritasse um comercial- é que conhece todo o jet set de Hollywood e que não tem problema nenhum para incursionar no pornô, que foi sua primeira ideia para a holografia.

David tenta levar ao palco figuras do passado e do presente como Ray Charles, Richard Pryor, Jim Morrison, Liberace, Mariah Carey e os Beatles (sua mais ambiciosa ideia) entre outras.

O negócio de David (Hologram USA) trabalha agora só para shows, mas é questão de tempo para que possa levar os artistas favoritos para as casas de show.

Parece que o negócio do infotenimento passou do plano de adorar artistas pop àquele de idolatrar às imagens projetadas em hologramas desses mesmos artistas, entre eles os Beatles. Não se sabe se isso é bom ou ruim mas, para este empresário milionário, parece ser uma boa notícia.

Via | Vulture.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo