E se Mendel enganou todo mundo?

LuisaoCS

E se Mendel enganou todo mundo?

Ainda que Gregor Mendel tenha feito seus experimentos com ervilhas há 150 anos, não foi até 1900 que suas teorias foram redescobertas e avaliadas pelos biólogos da época. Tinham nascido as "leis da genética" e um campo que nas décadas posteriores se transformaria no mais importante da Biologia.

Mas o trabalho de Mendel não foi aceito sem crítica pelos especialistas. Em 1960 um dos geneticistas mais notáveis do século XX, Ronald Fisher, colocou os dados do monge austríaco sob suspeita porque resultavam "muito bons para ser verdade".

Em uma interessante análise publicada na revista Science, o historiador da ciência Gregory Radick fornece novos dados para contextualizar esta controvérsia que terminou valendo a Mendel a fama de ter sido o primeiro cientista em praticar uma conduta fraudulenta que resulta bastante familiar no mundo da pesquisa: a de adaptar os resultados experimentais ao que está buscando.


Depois de realizar uma série de cálculos estatísticos, Fisher concluiu que as probabilidades de obter uns resultados tão bons com os experimentos com ervilhas eram de 16 para 1 e deduziu que Mendel tinha sido vítima de uma distorção de confirmação. Como não tinha intenção de desmerecer o trabalho do botânico, Fisher preferiu pensar que ao longo de sua pesquisa Mendel conseguiu desenvolver sua teoria em abstrato e começou a saber como deviam ser seus dados para que tudo se encaixasse. Seus testes com ervilhas tornaram-se então, segundo Fisher, - "uma demonstração cuidadosamente planejada de suas conclusões".

Apesar das críticas, o assunto não começou a transcender até muito tarde, segundo explica Radick, e os geneticistas ocidentais decidiram colocar panos quentes sobre a polêmica para não perder argumentos na batalha contra as políticas soviéticas de Lysenko que se desenvolvia em plena Guerra Fria. Nos anos posteriores, o tema floresceu e passou a ser discutido publicamente e concluiu-se que, ainda que os dados de Mendel eram muito bons, não existiam provas de que tivesse cometido uma fraude para além de ter confundido, talvez, algumas ervilhas verdes com amarelas para que sua teoria encaixasse à perfeição.

A principal contribuição de Radick à polêmica é a descoberta do estudo de uma série de documentos inéditos a cargo de outro cientista, o biólogo de Oxford W. F. R. Weldon, que foi o primeiro em abordar a questão e inspirou em parte as suspeitas de Fisher. Mas como explica Radick, os argumentos de Weldon eram diferentes e é possível que valha a pena levá-los em conta à hora de avaliar os trabalhos de Mendel.

Weldon analisou os resultados com ajuda de amigos matemáticos e chegou a conclusão de que não tinham validade para além das espécies purificadas com as quais o botânico trabalhou e que a realidade seria provavelmente bem mais variável. Weldon também determinou o erro probabilístico dos resultados utilizando uma fórmula padrão que calcula o desvio com respeito a uma predição teórica a partir do número de observações realizadas.

Mendel, por exemplo, anotou que na descendência das plantas híbridas 5.474 de 7.324 tinham o traço dominante da redondeza, um dado extremamente próximo a 75% predito pela fórmula para uma amostra daquele tamanho. O resto de dados mostram aproximações igualmente boas ao valor ideal, algo que desperta a suspeita em ciência porque nunca há dados tão perfeitos.

- "Ou é um mentiroso ou é um tipo maravilhoso", chegou a escrever Weldon em uma carta em 1901. O problema, para o britânico, estava nas categorias binárias tomadas por Mendel e a simplificação extrema da herança a partir desta base. Por este motivo o autor pede deixar atrás as críticas e suspeitas de Fisher, que não demonstraram ser válidas, e retomar o ponto de vista de Weldon para analisar melhor o erro de Mendel ao ignorar as condições ambientais e o contexto à hora de determinar os caracteres herdados.

Via | Science.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

* Mas o homem pode pousar na lua

Isso me faz pensar; por que o robô não pode pegar amostras de água em marte por medo da contaminação, mas pode pousar na lua sem medo de contaminação?

O que remete a, talvez, uma outra mentira (meia verdade) de longo prazo.

A ida do homem a lua. O Haiduqque no Mdig notou várias brechas nas imagens.

Foi ou não foi(?).

Uma mentira de médio prazo que ficou patente em pouto tempo; Os filhos do Michael Jackson.

he he he... Pai é quem cria mesmo...

Corrobora minha teoria; Minta com convicção. Demora um bom tempo para descobrirem a verdade.

Deixe um comentário sobre o artigo