A solidão nos adoenta porque causa mudanças celulares em nosso corpo

LuisaoCS

A solidão nos adoenta porque causa mudanças celulares em nosso corpo

Não fomos desenhados (evolutivamente falando) para ser eremitas, para contemplar a vida de uma atalaia, para viver sem relacionamento com os demais, isolados do mundo (por muito que às vezes gostamos de fazê-lo). Pouco tempo vivendo longe dos demais nos deixa tristes. Quando mais rimos é quando estamos com nossos amigos e familiares, nossa vida faz sentido quando a vemos através dos olhos dos entes queridos.

Todas estas ideias, que parecem trazidas por um estagiário assistente do Paulo Coelho, em realidade tem efeitos perceptíveis em nosso organismo. A solidão, literalmente, origina mudanças celulares que desencadeiam em doenças.

John Cacioppo da Universidade de Chicago, Steven W. Escola da Universidade de Califórnia em Los Angeles e John P. Capitanio do Centro de Pesquisa Nacional de Primatas da Universidade da Califórnia realizaram um estudo para avaliar como a solidão provoca mudanças fisiológicos em nosso organismo, não só psicológicos. O estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Os pesquisadores examinaram a expressão de genes nos leucócitos, células do sistema imunológico implicadas na proteção do corpo contra os vírus e as bactérias. Segundo suas conclusões, a solidão afeta à produção de leucócitos do sangue, predispondo as pessoas solitárias a ter uma resposta imune menos eficaz.

Não é por acaso que a solidão é uma das maiores causas de adoecimento na terceira idade.

Via | Science Daily.



Notícias relacionadas:

 

Comentários

Infelizmente a solidão está cada vez maior e atinge cada vez mais pessoas.
E, incrível, somos nós mesmos que a provocamos.

"Acho que você não percebeu
Que o meu sorriso era sincero
Sou tão cínico às vezes
O tempo todo
Estou tentando me defender
Digam o que disserem
O mal do século é a solidão
Cada um de nós imerso em sua própria
arrogância
Esperando por um pouco de afeição"

Deixe um comentário sobre o artigo