94% do tráfego do Tor é malicioso

LuisaoCS

94% do tráfego do Tor é malicioso

Eu uso o Tor, mas bloqueio sistematicamente todas as conexões provenientes dele em algumas áreas do NDig. Como assim? Bem, supõe-se que navegar através da rede anônima de Tor traz benefícios para os que buscam privacidade. No entanto, não é preciso muito estudo para verificar que as petições realizadas pela referida rede são puro lixo, em geral scripts visando minar o servidor, fazer comentários com spam, etc.

Um estudo realizado pelo CloudFlare, a rede de entrega de conteúdo e serviços distribuídos de DNS, intitulado "O problema com Tor", diz que o 94% das petições recebidas do Tor, são maliciosas. Segundo declarações de Matthew Prince, CEO de CloudFlare, publicadas em Ars Technica:


- "O tráfego do Tor não quer dizer que estejam visitando conteúdo polêmico, senão que são petições automatizadas desenhadas para causar danos a nossos clientes. Uma grande percentagem de comentários com spam, escaneamento de vulnerabilidades, fraudes publicitárias, escaneamento de login, vêm da rede Tor."

Dada a importância que tem a privacidade, CloudFlare decidiu categorizar o tráfego de Tor como se tratasse de um país. Dessa forma, os usuários podem tomar decisões para assegurar-se que o tráfego proveniente daí, seja legítimo e assim não deixar de fora às pessoas que utilizam Tor de forma legal. Infelizmente, esta opção está disponível para os clientes empresariais, o que deixa fora ao resto dos usuários que utilizam a versão gratuita do serviço CloudFlare.

Ainda que este estudo foi realizado por uma empresa privada, em realidade a navegação proveniente do Tor sofreu algumas limitações em sites como Wikipédia, onde não podem editar artigos. Google apresenta-lhes captchas com regularidade e muitas lojas on-line costumam bloquear até 70% do tráfego proveniente daí. Isto mostra que a problemática do tráfego malicioso de Tor é uma realidade e que precisa de algum tipo de ajuste para evitar que a navegação anônima desta rede seja utilizada para fins desleais.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo