Estudo revela que crer na ciência proporciona mais felicidade do que a religião

LuisaoCS

Estudo revela que crer na ciência proporciona mais felicidade do que a religião

Existe um ancestral, controverso e prolongado debate em torno da superioridade entre ciência e religião. Uma concepção geral é que as pessoas religiosas tendem a ser mais felizes e satisfeitas, em razão da sensação de certeza e sentido que produzem os dogmas, mas um novo estudo sugere que em realidade aqueles que crêem no desenvolvimento científico e tecnológico seriam bem mais felizes que as pessoas de pura fé.

De acordo com uma interessante pesquisa, publicada na mais recente edição do jornal Personality and Individual Differences, o ato de crer firmemente no progresso científico e tecnológico pode gerar três vezes mais satisfação e felicidade do que a conseguida por pessoas religiosas.

Para chegar a esta conclusão realizaram um extenso estudo onde os pesquisadores partiram de uma amostra representativa de 1.500 voluntários holandeses, para fazer uma profunda análise sobre como a crença no progresso científico e tecnológico afetava a satisfação de vida destas pessoas.


Depois compararam estas medidas de satisfação de vida com diferentes graus de fé no progresso da ciência e tecnologia através de 72 países, a partir dos dados coletados na World Avalies Survey, que delineia um perfil mundial sobre este terreno.

Em ambos os casos e etapas, a local e internacional, descobriram que uma forte crença no progresso científico-tecnológico se associa com um maior senso de controle pessoal, o que por sua vez proporciona uma maior satisfação com a vida, detonando maior felicidade.

O departamento de psicologia da Universidade de Colônia, ao comando da doutora Olga Stavrova, desenvolveu uma bateria de perguntas, onde os participantes eram questionados sobre sua percepção de melhoria graças aos avanços científicos, bem como sua sensação de liberdade condicionada pelos princípios e tradições da religião.

Os pesquisadores concluíram que tanto a crença no progresso científico-tecnológico e na religiosidade foram positivamente associados com a satisfação com a vida, mas a associação com a crença na área científica foi significativamente maior, na verdade, três vezes maior. Os entusiastas do progresso também acham que têm um senso muito forte de controle pessoal sobre as suas vidas, enquanto a religiosidade foi negativamente associada com o mesmo quesito.

Olga e seus colegas especulam que esta associação negativa entre a crença em Deus e um senso de controle pessoal pode surgir a partir de diferenças de disposição. Estratégias de controle primárias visam mudar o mundo externo para que ele se encaixe com as nossas necessidades e desejos pessoais; estratégias de controle secundárias procuram mudar as necessidades e desejos pessoais para que eles se encaixem com o mundo externo. Pesquisas anteriores descobriram que os religiosos tendem a ter pontuações mais elevadas em estratégias secundárias do que primárias.

Então porque é que as pessoas que acreditam na ciência e no progresso científico-tecnológico tendem a ser mais felizes do que os fiéis religiosos? Olga propõe que alcançar o controle sobre o mundo e dominar o meio ambiente sempre foi uma das principais metas da ciência.

- "Acreditando que a ciência é ou vai prospectivamente conceder tal domínio da natureza impregna indivíduos com a crença de que eles estão no controle de suas vidas", disse ela. - "Esse senso de controle pessoal, por sua vez contribui para a satisfação com uma vida superior."

O que o estudo não abunda, mas é fácil inferir, é que as pessoas que dependem da eficácia do intelecto humano para resolver os problemas têm uma maior chance de viver uma vida satisfatória e plena em relação àqueles que se agarram à esperança sobrenatural que um ser invisível poderá de alguma forma salvá-los de seus problemas.

Via | Science Direct.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Pessoalmente sou ateu, mas em relação a terceiros sou agnóstico. Mas odeio esse tipo de pesquisa prepotente...

Lendo o artigo lembrei de uma frase que me irrita profundamente e me angustia pensar que alguém a aceite: Entregue nas mãos de Deus e o que tiver de ser será.
Terceirizar a minha felicidade ou, que seja, a minha tristeza não me deixa tranquila.

Deixe um comentário sobre o artigo