O que Charles Darwin pensava sobre o néscio movimento anti-vacina

LuisaoCS

Infelizmente o movimento estúpido de anti-vacinação chegou ao Brasil. Um bando de ignorantes que espalham mentiras a respeito das vacinas e que levam muitos pais a não vacinar seus filhos. A consequência disso? Muitas doenças que já estavam sob controle começam a voltar. Eu já escrevi sobre o assunto e estou preparando uma reportagem especial para denunciar estes criminosos e logo vou postar aqui.

Mas hoje vamos falar dos tempos de Charles Darwin, quando a vacina contra a a varíola de Edward Jenner já tinha dado extraordinários resultados, mas seguia tendo pessoas que se opunham a seu uso.

Lendo o livro que Darwin escreveu em memória de seu avô, "Meu avô Erasmus", o naturalista recorda que este defendeu seu uso e ajudou os habitantes de Derby a se preparar contra as epidemias desta terrível doença. Em um momento determinado Charles Darwin arremete contra os idiotas contrários as vacinas em um parágrafo que foi censurado por seus familiares na edição original e que só há alguns anos foi recuperado. Acho que fala por si só:


"Se esses intolerantes que agora se opõem à vacinação tivessem em conta notícias como as dadas mais acima a respeito da anterior firmeza e terrível natureza maligna da varíola, talvez desconfiassem de seus próprios julgamentos; mas é provável que sejam muito ignorantes para se darem conta de sua própria ignorância. Parece que sempre existiram pessoas cuja mente está tão transtornada que se oporia a qualquer prática, apesar da importância de seus benefícios e da certeza dos dados relativos a ela e por melhor confirmadas que estejam suas teorias."

Um pequeno exemplo de que muitas coisas mudaram no mundo desde o século XIX, mas outras seguem mais ou menos da mesma forma, como a quantidade de obtusos boçais que se acham com capacidade de questionar milhares de estudos da medicina científica com base em suposições tolas e sem sentido.

Para os interessados o fragmento original pode ser encontrado no Google Books.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo