A beleza de aprender a não saber

LuisaoCS

Há quase 30 anos, Pico Iyer fez uma viagem ao Japão, apaixonou-se pelo país e mudou-se para lá. Um grande observador do espírito humano, Iyer professa sentir que hoje sabe muito menos sobre o Japão -ou sobre praticamente tudo- do que julgava saber há 30 anos.

Esta é uma inflexão que a gente começa a aprender a partir da meia idade -um verdadeiro paradoxo do conhecimento que é conquistado com a idade-: quanto mais sabemos, mais percebemos quanto pouco sabemos.

A verdade é que não importa o quanto aprendemos ao longo da nossa vida, sempre existirão inúmeras coisas que nunca saberemos. De línguas estrangeiras aos mistérios do universo, a maioria das pessoas vê essas lacunas no nosso conhecimento como uma coisa ruim. Mas Pico, no entanto, tem uma abordagem diferente de olhar para as coisas que nunca saberemos.



Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo