Homens ou mulheres?: Cientistas revelam quem são mais egoístas

LuisaoCS

Homens ou mulheres?: Cientistas revelam quem são mais egoístas

Uma equipe internacional de cientistas realizou uma nova pesquisa para determinar quem tendem a ser mais egoístas, se os homens ou as mulheres. Em seu estudo publicado na revista Nature Human Behaviour, os cientistas fizeram dois experimentos. O objetivo era averiguar se a dopamina estava vinculada a comportamentos sociais diferentes em homens e mulheres. Este neurotransmissor, batizado como uma dos hormônios da felicidade, é crucial para o sistema de recompensa do cérebro.

No primeiro experimento participaram 56 pessoas, que foram divididas em dois grupos. Um grupo recebeu uma substância a base de amisulprida, um medicamento que bloqueia a atividade da dopamina no cérebro, enquanto o outro tomou um placebo.


Posteriormente, os participantes encontraram-se em uma situação hipotética em que tinham que decidir se aceitavam uma grande quantidade de dinheiro para si mesmos ou se repartiam com uma pessoa próxima ou desconhecida.

Os resultados mostraram que depois da tomada do placebo, 51% das mulheres e 40% dos homens optaram por compartilhar o dinheiro. No entanto, no grupo que consumiu a amisulprida, as mulheres se sentiram menos altruístas e só 45% preferiu fazê-lo, em frente a 44% entre os homens.

Os pesquisadores também analisaram os resultados da tomografia que fizeram os 40 participantes no momento em que estavam resolvendo a tarefa sobre o dinheiro. Neles descobriram que no cérebro das mulheres era gerado mais dopamina que no dos homens enquanto faziam escolhas sociais.

Desta maneira, ambos os testes sugerem que o sistema de recompensa do cérebro, baseado na dopamina, faz com que as mulheres se comportem de forma mais altruísta e que os homens sejam mais egoístas.

No entanto, o estudo não conseguiu determinar se esta diferença de comportamento se deve aos genes ou aos modelos e normas sociais.

Via | Guardian.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo