Descobrem uma nova droga que paralisa permanentemente o câncer sem causar danos as células saudáveis

LuisaoCS

Descobrem uma nova droga que paralisa permanentemente o câncer sem causdar danos as células saudáveis

Cientistas australianos descobriram um novo tipo de droga que pode revolucionar a atual maneira de tratar o câncer. O fármaco não elimina as células cancerosas, senão que as deixa em um estado letárgico impedindo que a doença progrida e com uma vantagem crucial: não tem efeitos colaterais. A descoberta acaba de ser publicada na revista Nature e consiste em um fármaco que inibe dois tipos de proteína chamados KAT6A e KAT6B.


Ambas proteínas estão estreitamente relacionadas com o desenvolvimento tumoral e são consideradas dois dos principais motores de crescimento nas células cancerosas.

Ao aplicar um tratamento que inibe a formação dessas proteínas, os pesquisadores conseguiram quadruplicar a expectativa de vida em animais afetados por linfoma, um dos tipos de tumor mais letal. Os primeiros ensaios em laboratório também mostraram resultados muito promissores.

O novo tratamento não destrói as células cancerosas, senão que as desativa. O que faz, por explicar de alguma maneira, é colocar a doença para dormir permanentemente, impedindo que se desenvolva ou que se reative depois de sua eliminação.

A grande vantagem desta nova droga é que não tem os brutais efeitos secundários da radioterapia ou quimioterapia. Os tratamentos atuais baseiam-se em substâncias que destroem o DNA das células cancerosas. O problema é que não é fácil apontar estes tratamentos para que só destruam células doentes e a terapia com frequência destrói também células saudáveis, o que dá lugar a todo tipo de efeitos secundários desagradáveis.

Os descobridores da droga estão entusiasmados, mas apontam que ainda é preciso seguir pesquisando e realizar ensaios clínicos em seres humanos antes que a droga chegue aos hospitais. Seu maior uso pode estar em prevenir de forma permanente o ressurgimento do câncer depois de sua eliminação.

Via | Medical Express.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo