Problema global: Alertam sobre uma crise de fertilidade masculina

LuisaoCS

Problema global: Alertam sobre uma crise de fertilidade masculina

A infertilidade é um problema que afeta a cada vez mais os homens, segundo um novo estudo. Ao analisar os dados de dois centros de fertilidade entre 2002 e 2017, os cientistas descobriram que durante esse período, o número de pacientes que buscaram tratamento se multiplicou por sete, de 8.000 a 60.000.

Os pesquisadores constataram ademais que, entre estes, a qualidade do sêmen caiu consideravelmente. Em muitos casos, a concentração de espermatozoides era tão baixa que precisaram recorrer à fecundação in vitro para poder conceber.


É provável que esta piora na qualidade do esperma esteja relacionado com fatores como o hábito de fumar, o estresse, a obesidade e a exposição às substâncias químicas do plástico, explicou uma das pesquisadores, Ashley Tiegs.

- "Sabemos que a obesidade está aumentando e afeta a qualidade do esperma. Aumenta o risco de sectarismo e de mortalidade, mas também pode afetar à descendência", advertiu Ashley.

A cientista admitiu que a idade influi na fertilidade masculina, mas, não obstante, descartou este fator no estudo realizado, já que, nos últimos 16 anos, a idade média dos homens que se apresentaram para receber o tratamento não mudou, se situando nos 36 anos.

- "Trata-se de um problema de saúde pública", alertou a pesquisadora. Ao mesmo tempo, assinalou que o fato de que o estudo tenha sido realizado em dois continentes (América e Europa) demonstra que se trata de um problema global.

Por outro lado, ainda que o estudo não abunde no assunto, já que é específico sobre a fertilidade como problema de saúde sem considerações antropológicas, poderíamos nos aventurar a considerar que a baixa na fertilidade masculina seja consequência do meio e inclusive um mal necessário para colocar um freio no crescimento vegetativo neste mundo cada vez mais lotado. ë só uma conjectura.

Via | Mail Online.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo