E se a estimulação cerebral nos tornasse mais idiotas?

LuisaoCS

E se a estimulação cerebral nos tornasse mais tontos?

A estimulação cerebral para melhorar o rendimento cognitivo se converteu em um dos temas de destaque da neurociência, até ao ponto de que algumas pessoas trocam informação e fabricam seus próprios dispositivos caseiros. A técnica em questão é denominada estimulação transcraniana por corrente contínua (tDCS) e consiste em colocar uma série de eletrodos sobre o couro cabeludo e aplicar baixas correntes a nível superficial nas zonas escolhidas. Em determinados casos reclama-se que o sistema é capaz de melhorar o rendimento cognitivo das pessoas cabalmente, mas ainda há muito que estudar e demonstrar.

A equipe de Flavio Frohlich, da escola de medicina da Universidade de Carolina do Norte, desferiu um duro golpe à técnica há um par de anos com a publicação de um estudo que demonstrava que não só não tem grande efeito, senão que os voluntários submetidos à estimulação pioram com respeito ao grupo de controle. O trabalho, publicado na revista Behavioural Brain Research, sob o título "Transcranial direct current stimulation of frontal cortex decreases performance on the WAIS-IV intelligence test", consistiu em submeter 40 adultos saudáveis a uma série de testes que começavam e terminavam com um prova de inteligência convencional com perguntas sobre entendimento verbal, percepção, memória de trabalho e velocidade de resposta.


- "Seria maravilhoso que pudéssemos usar a tDCS para aumentar as faculdades cognitivas", assegura Frohlich. - "Mas este estudo traz más notícias. Significa que algumas das tarefas mais sofisticadas que o cérebro pode fazer não podem ser alteradas unicamente com uma fonte de corrente".

O experimento dividiu os voluntários em dois grupos, que recebeu correntes no lóbulo frontal e outro que foi submetido a um estímulo placebo, sem que eles nem os pesquisadores soubessem qual era o grupo de controle.

Uma semana após a prova, os que receberam placebo e os que receberam correntes de 2 miliamperes durante 20 minutos se submeteram a um novo teste de inteligência e todos melhoraram seus resultados. Mas, para surpresa dos cientistas, os participantes do placebo melhoraram 10 pontos na prova e os da estimulação verdadeira só 6. Para os autores do trabalho esta diferença é significativa, e mais tendo em conta os resultados parciais dos testes, com aspectos como o razoamento perceptivo que pioraram claramente com respeito a seus colegas.

A intenção de Frohlich e sua equipe não é invalidar totalmente este tipo de tratamentos, senão advertir à comunidade científica sobre a necessidade de experimentos melhor desenhados e de uma atitude menos grandiloquentes sobre os resultados. Não deve ser transmitido à sociedade, insistem, que a estimulação cerebral é uma espécie de solução mágica aos problemas e advertem sobre os riscos de aplicar estas técnicas sem controle, sobretudo se for feito diariamente e sem supervisão por parte de particulares.

Via | Science Daily.


Notícias relacionadas:

 

Comentários

Nenhum comentário ainda!

Deixe um comentário sobre o artigo